Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sábado, abril 08, 2006

O Acidental: Uma Elegia

Gostaria que o tempo avançasse hoje cinco, dez, quinze anos, o que fosse preciso para uma análise completa do que O Acidental significou para mim e para a vida recente e futura do debate público em Portugal. Tal não é possível, mas não é difícil adivinhar o que dele então se dirá. Julgo que, como acontece com todos estes fenómenos seminais e passageiros (e O Acidental foi uma espécie de Sex Pistols ou David Bowie da blogosfera), serão muitos mais os que dele falarão no futuro do que os que efectivamente o foram lendo com regularidade.

O dia 8 de Abril de 2006 ficará na imberbe história da blogosfera ao lado do dia 10 de Junho de 2003, o último da Coluna Infame. O fim do blog fundador do Pedro Mexia, do Pedro Lomba e do João Pereira Coutinho (que chegou a editorial de José Manuel Fernandes no Público), num tempo em que os leitores de blogs cabiam ainda num Renault Twingo, marcou, ele próprio, o fim de um tempo. Um tempo em que a Coluna e outros blogs, nascidos e crescidos em grande parte à sombra da sua influência tutelar (e muitos reunidos na mítica União dos Blogues Livres), revelaram um mundo até então subterrâneo, feito de uma nova geração que à cultura abrangente, livre e descomplexada acrescentavam o facto inusitado de se dizerem de direita. Se a Coluna foi responsável pelo choque inicial e pela definição do padrão, O Acidental foi responsável pela normalização do fenómeno. Foi no tempo d’ O Acidental que a surpresa se esfumou e o país atento a estas coisas aceitou finalmente a legitimidade da liderança da blogosfera política por parte da direita e a ascensão aos canais tradicionais da intelectualidade de pessoas formadas na tradição anglo-saxónica e não pelas importações francesas. Nisso, é certo, não estivémos sozinhos. Blogs como o Blasfémias ou O Insurgente contribuiram também decisivamente para a vitória parcial das nossas pequeninas culture wars. Mas nenhum deles suscitou as paixões, os ódios e demais urticárias suscitadas pel’ O Acidental, como outrora o fizeram a Coluna Infame e, do outro lado da barricada, o Barnabé.

Tudo isto se deve, com é óbvio, ao Paulo Pinto Mascarenhas, que começou o blog sozinho. Segundo me lembro, o nome deve-se ao filme “O Turista Acidental”, de Lawrence Kasdan e protagonizado por um absorto e billmurrayiano William Hurt, obra profundamente pessimista e uma espécie de metáfora ou alegoria sobre a natureza imprevisível da vida. Por coincidência - ou talvez não -, penso que O Acidental se tornou – ou talvez não - numa coisa bastante diferente da idealizada pelo Paulo. De blog estritamente político, interessado essencialmente no combate cultural à esquerda e de tom por vezes académico, O Acidental acabou por assumir características diversas e matizes distintas. Foi ao mesmo tempo sério e galhofeiro, violento e ternurento, politicamente empenhado e individualmente livre, informado e, no seu melhor, gloriosamente diletante. Disseram-se as palavras mais acertadas e as maiores parvoíces. E teve sempre, naquela que é, a meu ver, a sua grande vantagem relativamente a outros blogs, a facilidade de se rir de si próprio e de formular as suas próprias caricaturas. É algo que se deve reconhecer. Durante estes dois anos, gozou-se muito com a esquerda, com os seus figurões e com as suas ideias mirabolantes. Mas julgo ter-se brincado ainda mais com as manias e a percepção exterior dos conservadores e liberais da direita. Mais do que a forma descomplexada de se assumir de direita, foi a forma igualmente descomplexada de ver a direita que contribuiu para a “normalização” dessa direita no espaço público. Mais do que toda a self-righteousness (como é que se diz isto em português?) dos políticos portugueses, foi a leveza desta “normalidade” que fez dos blogs a melhor coisa que aconteceu à política portuguesa nos últimos anos.

No que a mim me diz respeito, digo-o pesando bem as palavras: depois dos pais e irmã que me calharam, da namorada que escolhi (e que, felizmente, me escolheu também) e de todos os bons amigos que fui fazendo, a descoberta da blogosfera foi a coisa mais importante que me aconteceu. Lembro bem o dia de 2002 em que, folheando O Independente, li uma nota do Paulo Pinto Mascarenhas anunciando a Coluna Infame como um “blog” do Pedro Mexia, do Pedro Lomba e do João Pereira Coutinho. Depois da excitação espantada, vieram as perguntas (o que raio é um blog? Quem é o Pedro Lomba?) e o vício. Dei notícia da descoberta aos meus amigos e correlegionários Fernando Albino, Diogo Henriques e João Vacas e, por impulso deste último, fizémos o No Quinto dos Impérios, a minha morada blogosférica de sempre. Para quem, como eu, despertou politica e intelectualmente com O Independente dos bons velhos tempos mas passou toda a vida fora de Lisboa, não é uma medalha qualquer conhecer o Paulo Pinto Mascarenhas e, no momento em que isso acontece, ser convidado para escrever no seu blog.

O Acidental, nunca será demais dizê-lo, foi principalmente um grupo de amigos com um blog, que continuará a ser um grupo de amigos sem (este) blog. Para mim, isso é coisa de uma importância acrescida, já que, ao contrário de outros elementos, que se conheciam há muito entre si, eu conhecia previamente apenas o João Vacas, o Diogo, o Eduardo e o Nuno. E, mesmo assim, não eram amizades de longa data. O melhor que O Acidental fez por mim foi ter-me dado a oportunidade de reforçar esses laços e de fazer novos amigos naquelas que são as pessoas com quem eu mais me identifico na maioria das dimensões da vida. N’ O Acidental e fora d’ (a propósito d’) O Acidental.

Tenho pena que isto acabe. Percebi os argumentos que me foram apresentados mas – que querem? – é como quem me tira um brinquedo. Existem, de facto, inúmeros projectos por onde continuar o espírito d’ O Acidental. Acredito que este não se vai perder e se irá tranformar em algo bastante melhor.

Mas não me peçam para lançar os foguetes. Para um conservador, Lavoisier não é consolo que se aproveite.

Um brinde a todos. Já sabem onde me encontrar.




[Francisco]

Comments on "O Acidental: Uma Elegia"

 

Anonymous Cristina Ribeiro said ... (11:45 da tarde) : 

O Acidental foi, tenho a certeza,uma referência para muitos portugueses.Bem hajam!

 

Anonymous Heloísa Mirandela said ... (12:11 da manhã) : 

Sim, bem-hajam, que tenho uma lágrima no canto do olho. Vou mudar para o insurgente, é o único que ainda presta.

 

Blogger Pedro Picoito said ... (12:30 da tarde) : 

Bela despedida, sim senhor.

 

post a comment