Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

terça-feira, março 07, 2006

Tudo trocado

"A nossa Constituição proíbe expressamente que, num sistema em que os serviços públicos de saúde são tendencialmente gratuitos, seja a população a pagar esse mesmo serviço", defendeu a deputada do CDS-PP Teresa Caeiro, em declarações à agência Lusa.

Os democratas-cristãos consideram ainda que o aumento das taxas moderadoras é "injusto", realçando que "penaliza de igual modo os utentes com mais e menos recursos dentro da classe média". "As pessoas com menos recursos estão isentas do pagamento de taxas moderadoras. Mais uma vez quem fica prejudicada é a classe média", disse Teresa Caeiro.


(via Blasfémias)

Esta posição expressa por Teresa Caeiro vai contra aquilo que o CDS tem defendido nos últimos anos sobre esta matéria e, pior, vai contra o programa eleitoral apresentado na última campanha, precisamente a que precedeu a eleição de Teresa Caeiro como deputada.

Não é ainda caso para pedir o voto de volta. Mas seria no mínimo simpático que alguém responsável viesse esclarecer o que é que o partido pensa sobre este assunto.

Se é certo que o pagamento de taxas diferenciadoras deve implicar uma descida da carga fiscal (para evitar que alguns paguem três vezes a mesma coisa), não é menos certo que é necessário começar por algum lado e que, dado o estado a que as contas chegaram, esse lado não será certamente o da redução dos impostos.

Depois há uma outra questão: quer ou não o CDS alterar a Constituição, sobretudo nestes aspectos que impedem uma liberalização do Estado e de importantes áreas económicas? É que se quer, talvez seja melhor agir em conformidade e não ceder à tentação de, como pretexto para contestar medidas avulsas do Governo, julgando estar a fazer oposição, invocá-la como um exemplo a seguir.

Nesta matéria, a crítica ao PS tem de ser outra: a de que chegou tarde àquilo que o CDS anda há algum tempo a dizer e a de que não vai tão longe quanto é preciso naquilo que está a fazer. Nunca, mas nunca, a de que vai contra a Constituição.

Se a Constituição proíbe expressamente que, num sistema em que os serviços públicos de saúde são tendencialmente gratuitos, seja a população a pagar esses mesmos serviços, então o que há a fazer é alterar a Constituição.

[ENP]

Comments on "Tudo trocado"

 

Blogger André Azevedo Alves said ... (4:46 da tarde) : 

Excelente post.

 

Blogger ZP said ... (5:49 da tarde) : 

pois é.
a historia do sistema de saúde "tendencialmente gratuito" já começa a ficar parecida com a da "irreversibilidade das nacionalizações". as pequenas e grandes armadilhas da CRP em que a todo o momento se tropeça.

 

Anonymous C.A.R. said ... (7:21 da tarde) : 

É uma questão pertinente-se o CDS quer(e bem!)alterar a constituição,abrindo caminho à liberalização nestes domínios,não entendo o sentido daquela intervenção de Teresa Caeiro.Portugal precisa(muito)de uma oposição responsável,que não se limite ao bota-abaixo.

 

post a comment