Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sexta-feira, março 03, 2006

Que tal trazê-lo para as Necessidades?

Esquecendo-se de que poderia estar a contribuir para exaltar fundamentalistas - forçados a reagir com o tipo de actos de violência que logram ser, em simultâneo, condenáveis e compreensíveis -, o ex-presidente iraniano Mohammad Khatami contradisse o seu sucessor, Mahmoud Ahmadinejad, afirmando que o Holocausto é “uma realidade histórica”. “Devíamos insurgir-nos mesmo que um só judeu tivesse sido morto”, acrescentou o reformista. Um homem tão excepcional que já lutava pela liberdade do seu povo quando o actual ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal ainda não tinha descoberto que D. Afonso Henriques dedicou a vida a agredir uma civilização pacífica.

[Leonardo Ralha]

Comments on "Que tal trazê-lo para as Necessidades?"

 

Anonymous Anónimo said ... (6:45 da tarde) : 

Quem desdenha tanto...

 

Anonymous Anónimo said ... (6:46 da tarde) : 

A ralhar morreu um burro??!...

 

Anonymous Anónimo said ... (6:47 da tarde) : 

O Céu é dos mansos...

 

Anonymous Anónimo said ... (6:47 da tarde) : 

Portugal esse, é dos pequeninos...

 

Anonymous Anónimo said ... (6:50 da tarde) : 

Animem-se, pá! Já só faltam seis dias para haver mais onde malhar forte sem ser no Governo!






























































































Contra um Portugal escavacado!

 

Anonymous C.A.R. said ... (8:08 da tarde) : 

Não gostaria mesmo nada de merecer um elogio de um embaixador que põe em causa tal genocídio(ainda que só em termos quantitativos)...Ai Freitas,Freitas que decepção!E pensar eu que acreditei cegamente nele...

 

Anonymous C.A.R. said ... (8:23 da tarde) : 

Mas já ficaria orgulhosa se desse motivos a ser elogiada por Khatami,esse sim verdadeiramente interessado na liberalisação da Pérsia!

 

Anonymous C.A.R. said ... (10:15 da tarde) : 

Liberalização(Desculpem!)

 

Anonymous Nuno Ferreira Martins said ... (11:39 da tarde) : 

Habituei-me a admirar este homem. Habituei-me a encará-lo como o mais corajoso e frontal dos "Fab Four" da democracia portuguesa (Cunhal, Soares e Sá Carneiro). Quando o homem bateu com a porta do Caldas, eu compreendi-o: no fundo, ele e Adelino Amaro da Costa eram os dois únicos centristas num partido centrista, onde todos os demais eram de direita. Por isso desculpei-o quando fez tanto finca pé em se afastar de Monteiro e de Portas: não era ele que se tinha "esquerdizado"; era Portugal que se tinha "endireitado", e ele, como coerente homem do centro, tinha visto aqueles que estavam tradicionalmente à sua esquerda a ultrapassarem-no pela direita. Eu rejubilei quando soube que era ele o "Mené" do novo governo da república, ainda que esse governo fosse de esquer..., perdão do PS. Agora, não compreendi que ódio era aquele que o homem destilou contra os EUA (não foram eles, enquanto pontas-de-lança dos países democráticos e ocidentais que nos safaram do cunhalismo-gonçalvismo-otelismo?); mais estupefacto fiquei quando o "Mené" apresentou um "mea culpa" do radical e bárbaro mundo ocidental, em nome dos "portugueses" (não em meu nome de certeza! não em nome de muitos mais portugueses que conheço!) face ao pacífico e tolerante mundo islâmico; e sobretudo, derreado fiquei, quando li o(s) célebre(s) comunicado(s) do "Mené" onde se podia ler que a condenação da violência não era o essencial da questão! Por natureza não sou muito favorável ao cortejo de solicitações demissionárias que se fazem cada vez que um ministro "mete a pé na argola", e não o quero fazer neste caso. Consolo-me com a desconsideração e o desinteresse generalizado que a comunidade internacional vetou à posição oficial do estado português acerca desta questão (como aliás da esmagadora maioria das nossas posições oficiais!). O que para um nacionalista não é concerteza pedir propriamente pouco...

 

post a comment