Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sexta-feira, março 24, 2006

O Acidental à escuta

Aqui há tempos, Pacheco Pereira associou todos os colaboradores da revista Atlântico, nos quais me incluo, às ambições políticas de Paulo Portas. Também me chamaram cavaquista por aquilo que escrevi em defesa da eleição de Cavaco Silva. Este primarismo de extinguir a individualidade de uma pessoa deixa-me sempre siderado. Se me permitem a seguinte observação lógica: quando um político vem ter connosco, é ele que vem ter connosco.

E não só. Oiço com abundância que quem escreve sobre política tem forçosamente uma agenda. Por agenda entende-se um objectivo político ou uma aspiração concreta ligada ao exercício do poder. É claro que toda a gente tem uma agenda, no sentido em que expõe um ponto de vista ou defende valores. Mas o que dizer de quem só tenta escrever sobre o que se passa, sem maquinações ocultas ou outros propósitos? O que dizer de quem só quer ser lido? O maior perigo de um jornalismo de agendas é que ele transforma a mera análise dos argumentos em algo dispensável.


Pedro Lomba, no "DN" de hoje.

[PPM]

Comments on "O Acidental à escuta"

 

Anonymous Visconde de Lamaçal said ... (2:58 da tarde) : 

Este senhor é tão inocente! Tem um coração de oiro.
Explique-lhe, PPM, que as coisas não são bem assim.

 

Anonymous marquês de palma said ... (3:56 da tarde) : 

este lamaçal anda na lama. grande artigo de Pedro Lomba!!!

 

Anonymous Anónimo said ... (9:57 da tarde) : 

Pois, só quem não se lembra de quem sendo director de jornal dirigia um partido por intreposta pessoa! Agora faz de conta que só fala na SIC e não tem outros projectos políticos com os quais a revista também não tem nada a ver. Pois! é tudo pura coincidência agora darem uma de cultura prineiro na direita. Tá bem, deixa...

 

Anonymous Anónimo said ... (10:24 da tarde) : 

"intreposta" pessoa? Não será tronto querm escerver istro?

 

Blogger António Maia said ... (11:42 da tarde) : 

http://www.youtube.com/watch?v=mSJ5cQkJ_Sw

Pois é, o seu amigo Paulo disse exactamente o mesmo, é só ir ao link.

am

 

Blogger PPM said ... (12:16 da manhã) : 

am, parece-me que há por aí fantasmas no baú que só demonstram fraquezas próprias. Se formos à procura de contradições noss discursos descobrimos imensas, em vários lados. Todos lemos O Independente, como lemos o Tempo ou o Semanário, vimos a RTP ou a TVI, antes e depois. Pode ir por aí se quiser, mas não o aconselho, para não deixar ficar mal alguns amigos seus, que até são pessoas que estimo.

PPM

 

Anonymous Anónimo said ... (12:16 da manhã) : 

Pedro Lomba na sua prosa sentimental/cavaquista confessa que não tem agenda. E calendário, terá?
Com tanta prosápia ainda chega a Conselheiro de Estado.

grimm

 

Blogger António Maia said ... (12:36 da manhã) : 

PPM, na parte que me toca, o meu baú felizmente está muito bem arrumado, sempre esteve , no que toca aos " nossos amigos " são maiores, se quiser esclarecer alguma situação terá de o fazer pessoalmente com eles. A experiência diz-me que intermediários nestas coisas nunca dá resultados. Quando me expresso num blog como este é só a titulo pessoal e continuarei com todo o gosto, sempre que não haja censura.
Só um ponto em relação aos "nossos amigos", numa coisa eles são claros, não escondem o que querem...

am

 

Blogger PPM said ... (2:25 da manhã) : 

António Maia, já é tarde, mas quem serviu de intermediário não fui eu no caso, nem trouxe vídeos interessantes para recordar o passado.
Aqui certamente que não há censura, desde que não apareçam insultos.
Aqui cada um pensa pela sua própria cabeça e os amigos não são chamados ao caso, mas também não fica sem resposta quem os chama por qualquer razão mais ou menos clara. As confusões ficam com quem as cria.

PPM

 

Blogger António Maia said ... (12:22 da tarde) : 

Caro PPM,

pois é a confusão fica para quem as cria, penso que é exactamente o caso. Quando comentei este post com um exemplo concreto com alguém que disse exactamente o mesmo, não queria obviamente fazer uma crítica, até pq seria deselegante fazê-lo no seu sitio. Queria sim chamar a atenção de que as pessoas mudam, os factos, mudam, as condicionantes, políticas, económicas, sócio-culturais mudam,e nós mudamos com a própria envolvência na sociedade, costumo dizer que se chama a isto viver em sociedade, quem não se adapta ou é tolo ou esquecido.

Até será legitimo que certas pessoas tenham essa ambição ou a tenham um dia mais tarde, deixe-me que lhe diga que na porta que me toca, as pessoas são avaliadas pela competência, e não me surpreenderia vê-lo em lugar legitimo.

 

post a comment