Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

quinta-feira, março 30, 2006

Insultos

Para que não hajam dúvidas, quero, antes de mais, referir que a Margarida Rebelo Pinto é minha amiga.
Não vou dar a minha opinião sobre a obra dela, porque nunca falo das atitudes, feitos ou defeitos dos meus amigos em público.
Os livros da Margarida são, provavelmente, dos mais comprados e lidos da minha geração. São, como quaisquer outros livros, artigos de consumo dirigidos a um público que, de forma evidente, os aprecia.
Não sei se são ou não “insultos à inteligência”, o que sei é que quem os apelida dessa forma está a insultar gratuitamente centenas de milhares de pessoas que os compra e lê.
Este tipo de critica não se pode confundir com a critica séria e meritória do João Pedro George que, mais uma vez, está de parabéns por ter a noção de que para se poder criticar é preciso estudar bem aquilo que se critica.
É curioso, e penso que demonstrativo de uma certa inveja que a Margarida desperta, o barulho que se faz quando esta faz auto-plágio e o assobiar para o lado quando autores como o José Eduardo Agualusa (penso que também denunciado pelo João Pedro George) fazem exactamente o memo.

[Pedro Marques Lopes]

Comments on "Insultos"

 

Blogger Pedro Picoito said ... (4:03 da tarde) : 

A diferença é que o Agualusa não tenta impedir ninguém de publicar críticas.
E, sim, os livros da Margarida Rebelo Pinto são um insulto à inteligência. Tal como a providência cautelar.
Querer calar isto em nome de uma amizade ou dos milhares de leitores de uma geração é como censurar cartoons em nome do Islão.
OK, não é bem. A Margarida Rebelo Pinto não é uma bomba.

 

Anonymous Anónimo said ... (4:26 da tarde) : 

Ninguém quis calar nada em nome da amizade ou das centenas de milhares de leitores. Como é fácil de verificar, por aquilo que escrevi, também não concordo com a providência cautelar. O que me chateia são expressões do tipo "insulto à inteligência", é que normalmente (claro que não é o seu caso) vêm de gente arrogante e pretensiosa.

Pedro Marques Lopes

 

Anonymous Anónimo said ... (4:46 da tarde) : 

Se a MRP fosse uma criancinha e eu fosse comunista, era um homem feliz. Ah, que ricos "pequenos-almoços"!

 

Blogger RAF said ... (5:27 da tarde) : 

Isto é que é ficar de bem com Deus e com o Diabo. A culpa é «desses», que criticam o livro, mas não têm nome.

Não comento os livros da Margarida Rebelo Pinto, pois nunca li nada escrito por ela, mas fico mal impressionado com a tentativa de travar a publicação de um comentário académico - bom ou mau, não sei - só porque põe em causa a sua obra.

E o facto das suas obras venderem aos milhares, não coloca MRP e os seus livros acima da crítica, nem a crítica representa um «insulto» aos leitores.

Se assim fosse, nenhum produto de consumo em massa poderia ser objecto de critica.

 

Anonymous Nuno Ferreira Martins said ... (5:35 da tarde) : 

Caro PML,

Responda só a algumas questões que aqui lhe coloco:

- Já leu as obras da MRP?
- Se sim, gostou?
- Se a MRP não fosse sua amiga estava disposto a esta defesa tão emérita da pessoa e da obra?

Eu li os dois primeiros livros da MRP (felizmente não comprei nem um nem outro) e, já estou como o outro, quando ouvi falar no lançamento d' "o último livro de MRP!", desejei fortemente que fosse, de facto, o último!

 

Anonymous brmf said ... (5:51 da tarde) : 

Excelente post.

Eu quando não gosto da comida deixo no cantinho do prato.

Quem não gostar que faça o mesmo.

 

Anonymous Rui Portes said ... (6:29 da tarde) : 

Em vez de andares a ler os livros da MRB, talvez umas obras de história não te fizessem mail. Principalmente sobre o Chile e a morte de Allende, esse "ditador"...

 

Blogger PPM said ... (6:52 da tarde) : 

É pá, estás a falar comigo? Anda cá, anda, pá, diz-me lá, estás a falar comigo?

Agora a sério, eu também gosto da Margarida Rebelo Pinto ainda que não a leia. O poste era uma brincadeira, talvez de mau-gosto.

PPM

 

Anonymous Anónimo said ... (7:05 da tarde) : 

Uma grande chapelada para Rui Portes! Quem põe no mesmo plano Allende e Pinochet confundirá, certamente, MRP com... Agustina ou Yourcenar. Sob qualquer ponto de vista!!!

 

Anonymous Anónimo said ... (7:18 da tarde) : 

Não é "Para que não HAJAM dúvidas", mas sim "Para que não HAJA dúvidas".
Tenho dito.

 

Anonymous Anónimo said ... (7:29 da tarde) : 

Quero que o Allende se foda.

Tenho dito.

 

Anonymous sérgio m said ... (7:33 da tarde) : 

Insulto à inteligência é qualquer post que venha deste PML, que se revelou em todo o seu esplendor com a célebre - por lamentavel - posta sobre Allende. Ò PML, dê-se um período de nojo, e volte depois de mansinho, a malta com o tempo tende a esquecer mesmo as maiores imbecilidades.....Olhe, aproveite para ler a grande amiga MRP!

 

Blogger PPM said ... (9:27 da tarde) : 

sérgio m, não seja anónimo. Assuma-se, como um homem.

PPM

 

Anonymous Anónimo said ... (1:43 da manhã) : 

Apesar de você, Sérgio m, não passar de um tonto e não merecer resposta segue transcrição.
"Allende either was assassinated or committed suicide while defending (with an assault rifle) his socialist government against the coup d'état" in www.fas.org Quanto à questão de o Sr Allende ser ditador ou não não retiro uma vírgula à minha opinião.

ó Sérgio, get a life

Pedro Marques Lopes

 

Anonymous Anónimo said ... (1:55 da manhã) : 

O João Pedro George, um rapaz que, assumidamente, foi "durante mais de 20 anos morador no Bairro Social do Arco do Cego (para ser mais preciso, entre os 4 e os meus 27 anos)", e mais não sei o que faz na vida para além de Esplanar [em boa verdade também não quero saber], à falta de tempo para fazer qualquer coisa mais interessante ou à procura da mesma glória fácil e efémera das 'celebridades' big brother, entreteve-se a escrever um livro titulado "Couves & Alforrecas" sobre os 'segredos da escrita' de Margarida Rebelo Pinto, a publicar por uma editora recente e obscura chamada "Objecto Cardíaco". Margarida Rebelo Pinto já interpôs, naturalmente, uma providência cautelar contra a distribuição e venda da obra. Ele há cada alforreca [ie. que é inconsistente; desprezível ] mais estúpida à solta por aí. Não gosta, não compra e não lê. Ponto final. [Anyway, como é que um rapaz que viveu até aos 27 anos num bairro social poderia apreciar o género da escrita da M.Rebelo Pinto, independentemente da forma? O que lhe interessa a ele [ou a alguém] os segredos da escrita dela? O invejoso do rapaz desdenha é o faisão de que só ouviu falar e nunca comeu, ora!]

 

Anonymous Anónimo said ... (1:57 da manhã) : 

Opiniões há muitas,
seu palerma!

 

Anonymous luis said ... (4:04 da manhã) : 

Quem se deu ao trabalho de ler a crítica feita por JPG, à "obra" de MRP, só pode considerar que se trata mesmo de um "atentado à inteligência". A obra da MRP, claro.

MRP sonha ser considerada escritora mas eu também sonhava ser futebolista. E lá porque não tinha jeito para o futebol não desatei a escrever livros.

 

Anonymous Nuno Ferreira Martins said ... (6:56 da manhã) : 

Ó Marques Lopes, ainda não respondeu foi às minhas perguntas, ou seja, se já leu os livros da sua amiga, e, em caso afirmativo, se acha que os mesmos têm qualidade literária?

 

Anonymous Nuno Ferreira Martins said ... (6:57 da manhã) : 

o anônimo da 1:55 não será a própria MRP?

 

Anonymous Anónimo said ... (11:24 da manhã) : 

Caro Nuno Ferreira,
Os livros da MRP não são do meu agrado e não os teria lido se ela não fosse minha amiga. Não são obras literárias, nem penso terem pretensões a isso. De aí a chamar-lhes insultos à inteligência vai um grande caminho. Mais, pelo seu sucesso, merecem, como todos os fenómenos de consumo, comentários menos emocionais e análises menos irracionais.
Obrigado pelo seu comentário
Cumprimentos

Pedro Marques Lopes

 

Anonymous Nuno Ferreira Martins said ... (11:45 da manhã) : 

Obrigado pela sinceridade, Marques Lopes! Para ver se se acaba de uma vez por todas em Portugal com a "escola do elogio mútuo".

 

Blogger Qtolomeu said ... (12:52 da tarde) : 

O template do Esplanar é plagiado do Boticário.
E esta hem?

 

Blogger Eu quero ser um intelectual de sucesso said ... (2:27 da tarde) : 

Apraz-me sugerir esta leitura (ver link) a este post extraordinário.

 

Blogger Lugones said ... (3:40 da tarde) : 

A um certo anónimo:

Como é óbvio, não li ainda o livro do J.P. George (e nem sei se algum dia o farei); contudo, pelo que li no blogue Esplanar, a sua abordagem contém o mínimo de teor objectivo e analítico que se exige a uma critica literária séria. Não ponho de parte que exista algum azebre na escolha do tema a analisar; porém, o simples facto de a M. Rebelo Pinto ser um fenómeno mediático devido ao que publica, já legitima que a sua escrita seja passível de uma análise crítica, favorável ou não. Para mais, não vejo por que é que a biografia pessoal do crítico deva ser motivo de legitimação ou não do seu trabalho – postular que uma determinada obra literária só pode ser avaliada por aqueles que se identificam com o seu conteúdo é um argumento, no mínimo, falacioso e velhaco. Posto isto, declaro que nunca li nenhum livro da M. Rebelo Pinto, nem pretendo fazê-lo – o espólio da literatura mundial é demasiado vasto e o nosso prazo de validade demasiado curto.

 

Anonymous Anónimo said ... (6:11 da tarde) : 

Caro Pedro Marques Lopes:

Espero, sinceramente, que o "engraçadinho"(a besta) anónimo que escreveu sobre "BAIRROS SOCIAIS" seja mesmo anónimo - e não um dos vossos(deste blogue).
Eu sou de origem de gente humilde e honrada(com muita honra). Sou originário de bairro social(não, não tenho pena de mim próprio).
Espero, sinceramente, que a direita portuguesa muito bem representada neste blogue seja uma DIREITA do futuro, LIBERAL e HUMANA, baseada na igualdade de oportunidades, no valor MERITÓRIO; e inclusora de todos os portugueses.
O que aquele anónimo representa é a velha direita dos "patrões" e dos "servos"(cradagem), do "Sim Senhor", do "menino" e da "menina"; que a minha própria mãe utilizou numa antiga casa nobiliárquica.
Eu, por mim, dispenso a merda do "faisão" (sou quase vegetariano). Infelizmente existe ainda uma direita da velha guarda, que não o é, por isso, verdadeira direita (da liberdade e da emancipação do indíviduo)- e que, a coberto do sentido de humor, demonstra todo o seu preconceito pela emancipação intelectual e económica das classes portuguesas mais baixas (e por todas elas em si - e pelos nossos bairros sociais)
Cumprimentos
Pedro Rodrigues

 

Anonymous Anónimo said ... (10:47 da tarde) : 

Caro Pedro Rodrigues,
Se for daqui também me insultou a mim.

Obrigado pelo seu comentário
Abraço

Pedro Marques Lopes

 

Anonymous Anónimo said ... (12:41 da manhã) : 

Caro Pedro Marques Lopes

Peço desculpa pela irritação eventualmente exagerada para o caso, mas sincera.
Votos de continuação para o blogue, deste vosso leitor.

Um Abraço
Pedro Rodrigues

 

post a comment