Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

quarta-feira, março 01, 2006

A Escola Totalitária

Continuo estupefacto com o desbarato de elogios que a direita tem dedicado à política de educação do governo. Compreendo que o desdém e o acinte com que a Sra. Ministra tem tratado os professores cale bem fundo no coração de conservadores autoritáros e liberais anti-função pública. Mas conviria, já agora, entender o alcance material das medidas.

Tomemos o exemplo das célebres "aulas de substituição", a mais recente e umas das mais emblemáticas. Em que consiste? Basicamente, no seguinte: os meninos esperam a vinda do professor de Trabalhos Manuais (ainda existe?) para a aula prevista no horário. O professor de Trabalhos Manuais não aparece e, cantando e rindo, os meninos dirigem-se, ordeiramente, para uma outra sala, onde os espera uma outra professora, que não tem aquela turma no seu horário e que, por acaso, lecciona a disciplina de Francês. Ora, segundo consta, é suposto que esta professora tenha preparado qualquer entretenimento educativo para a canalha - que os ajude nos trabalhos de casa, que lhes ensine uns passos de fandango, umas asneirolas na língua de Victor Hugo ou, preferencialmente, qualquer coisa relacionada com Trabalhos Manuais (coisa que alguns petizes até acabariam por agradecer).

Ignoremos, para já - de tão evidente que é -, o optimismo pueril dos cérebros responsáveis por estas ideias. Que significam elas verdadeiramente? Tendo em conta o cadastro recente do "eduquês", significam o habitual: a substituição da família pela escola e do indivíduo pelo estado; a transformação da escola, de fornecedora de conhecimentos e competências estruturantes em agente construtivista, formatador de consciências e de comportamentos. O estado quer a escola como centro absoluto da vida da criançada, onde a pode ter controlada e uniformizada, administrando-lhe a "educação sexual", a "educação para a cidadania", entre outros caminhos para a servidão. Os paizinhos que não se preocupem. It's all taken care of. Enquanto os meninos estão a ter uma aula de electrotecnia com o professor de Educação Física, não se metem na droga.

Só eu sei o bem que me fizeram as faltas de alguns professores (à precisão do meu remate, à estruturação do meu intelecto e até - reparem no eduquês do linguajar - ao desenvolvimento das minhas capacidades relacionais).

A escola deve ser exigente e rigorosa. Não deve ser totalitária.

[FMS]

Comments on "A Escola Totalitária"

 

Anonymous luispedro said ... (4:56 da tarde) : 

Nada na proposta do ministério obriga a que uma aula de Trabalhos Manuais seja substituída por outra de Trabalhos Manuais. Nada impede a tal professora de Francês de dar uma aula de francês.

Nada impede a escola de substituir a aula por outro professor da turma, se possível, e que este dê uma aula da sua disciplina.

A ideia de "um professor de Educação Física a ensinar Física" foi criada pelos professores.

 

Anonymous fms said ... (5:17 da tarde) : 

Seja como for, não altera a minha objecção de princípio.

Para além de que pago para ver essa coisa linda a funcionar. É que é já a seguir.

 

Blogger Tiago Mendes said ... (8:08 da tarde) : 

Francisco,

COnsigo entender e apreciar a sua posicao com uma boa dose de humor e ironia. Mas achar que esta proposta, que tem o cunho do "trabalho" e do "esforco", em detrimento do "lazer" e do "intervalo", e' um sinal de "totalitarismo", parece-me, no minimo, excessivo.

Eu tambem sou contra o totalitarismo na escola e no ensino, mas acho que isso nao se aplica a este caso. Nao sou inteiramente favoravel a isto exactamente porque acho que se pode ter um meio termo. SIm, algumas faltas fazem bem 'a criancada.

Ou seja, os incentivos tem de estar sobretudo do lado dos professores (para que faltem menos), mas isso nao deve levar ao exagero de subsituir toda e qualquer aula por uma qualquer actividade que vai enfasiar uns e outros, onde e' provavel que nao se aprenda nada, etc. Um meio termo, isso sim.

(Ainda que eu compreenda que, sendo o "meio-termo" optimo dificil de encontrar e implementar, esta decisao do Governo possa ser justificada, mas teriamos de aferir se a outra "solucao de canto" nao e' preferivel, tendo em conta ajustamentos do lado dos incentivos aos professores para nao faltarem.)

 

Blogger Tiago Alves said ... (8:53 da tarde) : 

Aquela da "solução de canto" foi brutal, caro Tiago Mendes.

Quanto a questão em si, não pude deixar de rir com a ironia mas tambem não deixar de considerar exagerado o emprego de termos como "caminho para a servidão"..

Tambem não concordo com as aulas de substituição como elas tem sido aplicadas. Aplicadas. Porque acho que na teoria até nao era daquelas ideias de deitar fora. Poder-se-ia, porém, impedir que os alunos ficassem dentro de uma sala..

Quanto aos incentivos propostos pelo Tiago, permitam-me discordar. Então dar aulas não é o seu trabalho? Incentivos a quê?

 

Blogger Paulo Alves said ... (9:20 da tarde) : 

Ainda bem que não espera «que o Paulo Alves concorde».

 

Anonymous Afredo Gil said ... (9:52 da tarde) : 

Tem-se dado muita volta ao Ensino em Portugal. Em 32 anos houve 19 reformas. Saberão os nossos governantes o que querem com o Ensino? Acredito que sim.

Já se tentou muita coisa mas nenhum governo/ministro teve a coragem de tentar aquilo que resolveria quase todos os problemas do Ensino:

Afastar os pais das escolas - permitir que eles vão à escola apenas para se informarem, nada mais;

Obrigar os alunos a ser obedientes - sem obediência não há atenção, sem atenção não há aprendizagem;

Conceder aos professores a autoridade de outros tempos e facilitar o desenrolar dos processos disciplinares.

Fácil e eficaz! Como um bom tira-nódoas!

Já agora algumas palavrinhas acerca da hipocrisia de quem nos governa: Elogiam o sistema de Ensino que criam, mas têm os filhos em colégios particulares (religiosos ou estrangeiros) onde se pautam por regras bem diferentes daquelas que se aplicam aos filhos dos outros.

Sim, porque isto de trabalhar para os votos tem muito que se lhe diga!

 

Anonymous Anónimo said ... (10:28 da tarde) : 

Diz muito bem. A ministra é uma autoritária com uma visão totalitária da escola.

 

Blogger Tiago Mendes said ... (12:29 da manhã) : 

"Aquela da "solução de canto" foi brutal, caro Tiago Mendes."

Como não sei qual a sua área de estudo, não estou seguro que tenha compreendido o que disse (que não tem mal nenhum). Se isso for o caso, "solução de canto" quer apenas dizer que o "óptimo" duma função é um dos extremos do domínio que ela pode tomar. Por exemplo, se X pode tomar valores entre 0 e 1, uma solução de canto envolverá ou 0 ou 1 como óptimos. A ideia era que a solução do minsitério é "radical", "extrema" - ou, uma solução de canto.

"Quanto aos incentivos propostos pelo Tiago, permitam-me discordar. Então dar aulas não é o seu trabalho? Incentivos a quê?"

CLaro que dar aulas é o seu trabalho. Mas não sejamos ingénuos. Porque é que os administradores duma empresa têm remuneração varia´vel? Porque é que quem vende casas fica com uma percentagem? Porque é que os gestores de fundos de investimento ganham prémios consoante os resutados? Não será, para todos eles, o seu "trabalho", a sua "funcão"?

Cada pessoa gere os seus níveis de "esforço" e "entrega", variáveis que não são em geral directamente observáveis. Os professores não são excepção e esses "incentivos" não devem ser diabolizados.

Falava de coisas tão simples como não pagar as aulas a que se faltam (o que julgo que já acontece) e penalizar eventualmente essas mesmas faltas, incluindo porventura um limite às mesmas, ou a obrigatoriedade de reposição (com ou sem pagamento disso), etc.

O problema principal em política está em não atender ao "positivo" e achar que as pessoas agem consoante aquilo que nós "desejaríamos". As pessoas são obviamente seres morais, etc, mas reagem a incentivos. Não vale de nada dizer que "eles não precisam de incentivos porque dar aulas é o trabalho deles". Sem querer ser ofensivo, isso está *formalmente* ao mesmo n~ivel que o pensamento de alguns comunistas, por "idealizar" o comportamento do homem, negando a sua natureza. (Espero que não me interprete mal - é uma analogia).

 

Blogger JPB said ... (7:14 da manhã) : 

Acho espantoso como o Governo conseguiu desviar o debate sobre o sistema educativo para inocuidades como as aulas de substituição --ao mesmo tempo que está, discreta e pacientemente, a acabar com os exames nacionais, que são a única forma de implementar uma escola capaz e exigente.

Parece que ninguém repara.
Cá vamos portanto, cantando e rindo...

 

post a comment