Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sexta-feira, março 10, 2006

As coisas que se aprendem na Sábado à quinta-feira

Confesso que não leio a revista Sábado, mesmo sabendo que perco os artigos semanais dos meus amigos Miguel Monjardino e Alberto Gonçalves, duas das poucas pessoas que vale a pena ler nos jornais em Portugal. Mas o meu tempo e as minhas finanças são limitados. Por isso, limito-me a dois jornais diários portugueses, um deles lido de forma cursiva, de resto. Não leio nenhuma publicação semanal, sejam o Expresso, a Visão ou qualquer outra.
Esta semana, porém, alertado por voz amiga de que Pacheco Pereira tecia umas considerações sobre a Revista Atlântico, comprei-a. Pacheco Pereira dedica duas páginas a Paulo Portas, o que parece relevar do domínio da obsessão. E é nesse contexto que menciona a revista Atlântico, para dizer que ela faz parte das “forças de que Portas dispõe”. Segundo Pacheco Pereira, existe um “grupo que anima o blogue O Acidental e a revista Atlântico”, que se proclama “de uma espécie ideológica muito própria do liberalismo, e que aliás pouco tem a ver com a tradição liberal e muito mais com um radicalismo cultural de direita”.
Apenas uma resposta breve, porque a minha vida não é isto. Não respondo por outras pessoas, mas apenas por mim:
1. Sou membro do Conselho Executivo e articulista da revista Atlântico, funções pelas quais sou pago. Para além da minha família, não faço parte de nenhum grupo, muito menos de um grupo que apoie a carreira política de Paulo Portas. O Conselho Executivo da revista Atlântico não é uma força de que Portas “dispõe”. Não conheço Paulo Portas, nem nunca ele me pediu que o apoiasse no que quer que seja.
2. Também informo que não teria qualquer problema em passar a fazer parte das forças de que Portas “dispõe” se Portas apresentasse soluções políticas que me parecessem satisfatórias. Até agora isso nunca aconteceu.
3. Não sei o que é “uma espécie ideológica muito própria do liberalismo”. Aliás, não percebo a frase. Também não sei o que é a “direita”, pelo que não sei o que é o seu “radicalismo cultural”. Se, da próxima vez, Pacheco Pereira for mais claro nas suas formulações talvez lhe consiga dar razão.
4. Não sei em que mundo paranóico vive Pacheco Pereira. Mas para isso há mais remédios, para além de andar a atazanar a vida das outras pessoas.
[Luciano Amaral]

Comments on "As coisas que se aprendem na Sábado à quinta-feira"

 

Anonymous Anónimo said ... (11:14 da manhã) : 

Há sempre uns "idiotas úteis". Donde pensa que vem o dinheiro da Acidental? Por qual razão foi afastada a Helena Matos?

 

Anonymous Anónimo said ... (11:19 da manhã) : 

Só espero que o Pacheco não tenha
ditado o fim o Acidental...

Por favor, agora não se engalfinhem todos uns com os outros como adolescentes palermas que parecem ser.

Esta é a vossa prova de fogo.

Helena

 

Anonymous Anónimo said ... (11:22 da manhã) : 

Mais uma nota:

O Luciano Amaral não lê a Sábado?

Foi uma voz amiga que lhe disse?

Só tem dinheiro para dois jornais diários?

Isso talvez explique então muitos os textos que escreve....

É ignorância, desconhecimento e vozes amigas.

Helena

 

Blogger Miguel said ... (11:56 da manhã) : 

Tambám não compreendo de onde vêm as suspeitas que são lançadas sobre a Atlântico.

Os "ódios de estimação" (e, já agora, "os amores") tolhem o raciocínio de Pacheco Pereira.

 

Blogger Miguel said ... (11:59 da manhã) : 

Por falar em "suspeitas infundadas". Seria útil que a Helena concretizasse quais os textos do Luciano para os quais encontrou "explicação".

 

Blogger Rui Castro said ... (12:33 da tarde) : 

Falem mas é de coisas importantes. O Glorioso vai humilhar o Barça nos quartos e mai nada!

 

Anonymous C.A.R. said ... (12:48 da tarde) : 

Miguel,eu iria mais longe(sabendo que posso ser injusta,pelo que desde já peço desculpa)-dúvido que a Helena tenha alguma vez lido algum artigo de Luciano Amaral, porque se o fez confesso que tenho a mesma curiosidade...Quanto à questão levantada por Pacheco Pereira,sendo embora eu do CDS,deu já para perceber que na Atlãntico escrevem pessoas de outras àreas políticas(e ainda bem!)Realmente não entendo essa obsessão...

 

Blogger PPM said ... (1:33 da tarde) : 

Agradecia que me dissessem de onde vem o dinheiro "da Acidental", porque eu ainda não vi nenhum. E acho mal que usem o nome Helena para tanto hate mail. A senhora nada tem a ver com este assunto, é apenas um nome utilizado pelo desesperado Pacheco para justificar uma tese tortuosa, como costumam ser todos os seus ataques. Esta a passar o tempo em que ele dominava a comunicação social, incluindo os blogues.

PPM

 

Anonymous C.A.R. said ... (1:53 da tarde) : 

Antes que alguém decida insultar-me -lonje e não longe.Atlântico e não Atlãntico.É a pressa...

 

Anonymous Anónimo said ... (2:35 da tarde) : 

agora quem está a dominar são so acidentais...deixem-me rir!!!

 

Anonymous Anónimo said ... (2:38 da tarde) : 

O que não suportam no JPP é que ele tem muito mais moral do que o Portas e como não tem um grupo de amigos "independentes" para o defender pensam que podem bater á vontade. Enganam-se. Mas quem é este PPM? Que vida teve fora da política?

 

Anonymous C.A.R. said ... (2:43 da tarde) : 

Perdoem-me mais uma vez.Queria referir-me à acentuação de"área"e não a "longe"

 

Blogger Miguel said ... (3:09 da tarde) : 

"Mas quem é este PPM? Que vida teve fora da política?"

Os ataques "ad hominen" são reveladores do deserto de argumentos válidos. Elucidativo.

 

Anonymous JBT said ... (3:14 da tarde) : 

PPM teve mais vida fora da política, que o anónimo coragem para dar cara. Merdosos cobardes e inúteis.

 

Anonymous Anónimo said ... (4:05 da tarde) : 

O Pacheco Pereira não precisa de anonimatos na caixa de comentários do Acidental. Tem o Abrupto, a Sábado, o Público a Quadratura do Círculo, enfim, meios de comunicação não lhe faltam. E até me parece que tinha mais, se quisesse. E não os usa para insultar nem atacar pessoalmente ninguém.

E o que o maça mais a si é que o Pacheco Pereira tem isto tudo unica e exclusivamente por mérito próprio.

Tenha juizinho Paulo Pinto Mascarenhas e não meça os outros pela sua bitola.

Helena

 

Anonymous Anónimo said ... (4:14 da tarde) : 

Mérito??? Mas quem é o Pacheco Pereira, para além de mais um intelectualóide promovido pelos media? Para além da sua obcessão pelos comunas, que mais tem o barbudo a dizer ao mundo, para além dos clichés habituais? O homem só sabe embirrar com toda a gente. Está acabado. E já agora, Helena, se o PP não precisa de ajuda, que tal meter a rolha e deixar os acidentais em paz????

 

Anonymous Anónimo said ... (5:21 da tarde) : 

Mas de que é que vocês estão todos a falar, afinal? Que é que a Helena fez? Qual Helena? fónix, nunca sei nada!

caramelo

 

Anonymous Anónimo said ... (5:27 da tarde) : 

Mas isto é fixe! É por isto que venho mais vezes ao Ocidental que ao Abrupto! Hoje, vou reunir a malta toda do bairro à frente do meu portátil, no bar da associação, para ver isto! Vocês também têm histórias de presidentes paneleiros, ou não?

caramelo

 

Blogger PPM said ... (5:35 da tarde) : 

Peço à "Helena" para "ela" própria não usar também, tal como o seu adorado dr. Pacheco, o nome de outras pessoas em vão. Eu sei muito bem os meios de comunicação social a que o dr. Pacheco tem acesso, mas não está - como eu não estou - acima da crítica.
Apesar do passado maoísta de alguns, vivemos em democracia e podemos dizer o que pensamos, sem contar com apoios extraordinários.
Tudo o que consegui na vida, consegui-o à custa do meu trabalho. Por fim, aconselhava o dr. Pacheco Pereira - e, porque não, também a "Helena" - a comprarem a revista Atlântico, para poderem com propriedade emitir uma crítica que possa ser considerada válida.

PPM

 

Anonymous Anónimo said ... (5:54 da tarde) : 

Os acidentais são um espanto. Criticam o Pacheco pereira de uma forma acintosa, ignorante e insultuoso no plano pessoal, como esse post do Bettencourt, e depois à mais pequena crítica á vossa agenda política ficam histéricos.

 

Anonymous Anónimo said ... (5:58 da tarde) : 

O JPP já não é maoista desde pelo menos 1975, muito antes de alguns de vocês terem nascido. Denunciou o PCP na altura em que isso era perigoso, e não agora que não tem risco nenhum.

 

Anonymous hm said ... (5:59 da tarde) : 

toda a gente sabe que quem escreve o abrupto não é o ex leninista pacheco. toda a gente sabe que quem andou a fazer investigação para os livros do cunhal foram assalariados do leninista pacheco pagos com o dinheiro do parlamento europeu. tacho que lhe permite ter a vida que tem e estar em todo o sitio ao mesmo tempo. sempre são aí uns 2 mil contos por mês. Pelos vistos nem toda a gente sabe disto. Mas há mais...

 

Anonymous Anónimo said ... (6:04 da tarde) : 

agora só falta dizer que não é ele que escreve os livros, mas lá chegará.

 

Blogger PPM said ... (6:13 da tarde) : 

"O JPP já não é maoista desde pelo menos 1975, muito antes de alguns de vocês terem nascido. Denunciou o PCP na altura em que isso era perigoso, e não agora que não tem risco nenhum."

Aviso o anónimo que tinha 11 anos no dia 25 de Abril. É uma informação desnecessária, mas talvez útil. Mas quando o JPP era maoísta já tinha idade para ter juízo. Essa da denúncia do PCP não é tão conhecida.
Quanto a histerismos, estamos conversados - meus caros, ninguém está acima da crítica, nem sequer o excelentíssimo dr. Pacheco. E se o dr. Pacheco vê o dr. Portas em todo o lado, eu também tenho o direito de ver a sombra dos métodos maoístas nas estratégias mediáticas do dr. Pacheco. E é só.

PPM

 

Anonymous Anónimo said ... (6:23 da tarde) : 

Quem se está a rir é o Pacheco Pereira!
Pôs estes putos todos eriçados!
Pois é...foi certeiríssimo no que disse!
Portas já foi à vida e a sua matilhazita de rafeiros ficou a espumar de raiva quando alguém o lembrou.
Azar...

Eusébio

 

Anonymous Anónimo said ... (6:51 da tarde) : 

Exactamente por ter comprado a revista Atlântico e ler o Acidental é que tenho a opinião que tenho sobre V. Exa.

A minha opinião sobre si e o Acidental (E a revista Atlântico) é a de que fazem parte de um pequeno grupo de seguidores fiéis de Paulo Portas que este usa para concretizar o seu projecto pessoal de poder.

E os pobres fiéis, cegos pela luz, atropelam-se a tentar pôr o chapéu de liberais, quando na maior parte das vezes nem percebem do que é que estão a falar limitando-se a papaguear o que dizem os vossos gurus eleitos, numa exibição saloia de pseudo sapiência para dar uma tonalidade ideológica (a tal "direita moderna" que ainda ninguém percebeu o que é) ao projecto Portas.

Não há uma ideia própria, sólida ou fundamentada. Não há uma novidade ou um contributo válido para a discussão dos assuntos.

Nada mais do que defender meia duzia de velhos clichés supostamente conservadores.


Se juntar a isto uma obssessão com Pacheco Pereira, abudantemente ilustrada pela sucessão de posts que balançam entre a tentativa de insulto pessoal e provocações adolescentes (como é o caso do post de hoje do Jacinto Bettencourt), temos o vosso retrato.

E porque é que atacam Pacheco Pereira? Porque ele diz a verdade sobre Paulo Portas, o vosso ídolo.

(Isto claro, para além da inveja que escorre por todos os poros)

Devo dizer que tenho pena (porque esse é um tipo de argumentação que desprezo) de não conseguir caraterizar-vos sem invocar características negativas de personalidade e atitude como o despeito, mas esse é um aspecto absolutamente identificador do vosso estilo e forma de estar.

O que, enquanto forma de participação na vida pública, é uma tristeza.

Pensem pelas vossas cabeças se forem capazes, afirmem-se se forem capazes, conquistem o vosso lugar pelos vossos méritos, se os tiverem.

Helena

 

Anonymous rita costa said ... (6:55 da tarde) : 

Oh Helena Matos, ao menos assine o nome até ao fim. Ficam-lhe mal esses azedumes, até porque toda a gente tem telhados de vidro.

 

Anonymous JB said ... (7:06 da tarde) : 

Ex.ma Senhora Helena,

E se parasse de dizer disparates? Ainda não percebeu que esta reacção se deve precisamente ao facto do artigo de Pacheco Pereira não ter ponta por onde se pegar? O meu texto tenta, tristemente reconheço, mostrar isso mesmo: que essa conversa é uma conversa alucinada, de alguém que lê outra realidade.
Méritos? Caso não saiba, os membros deste blog trabalham. Eu sempre trabalhei, e vivo de trabalho. Não tenho a sorte de ter um horário, um contrato, ou uma qualquer certeza sobre o meu futuro profissional, dado que sou profissional liberal há muitos anos; em compensação, não tenho qualquer vergonha em dar o meu nome ou a minha cara pelo que considero honesto e justo.
Pelo exposto, e dado que falhou todos os alvos, sugiro que meta os seus retratos imberbes e preconceituosos na carteira, que vá apanhar ar (e, eventualmente, descobrir outros blogs para atizinar), antes regressar, novamente, com uma mente mais aberta.

Jacinto Bettencourt

 

Anonymous Anónimo said ... (7:12 da tarde) : 

Li no Abrupto o texto do JPP a que se referem e o que lá está é tão certeiro que é confirmado pelas cenas de hoje entre um dirigente do PP no porto e Ribeiro e Castro, e as cenas com o Grupo parlaemntar na investidura de cavaco. Foram apanhados em falso e espumam de ódio contra o mensageiro!

 

Anonymous Anónimo said ... (7:53 da tarde) : 

Eu não pus minimamente em causa a honorabilidade, o trabalho a idoneidade, moral ou outra que não a da acção politica, dos colaboradores deste blogue nem da revista Acidental.

Apenas disse que, enquanto projecto politico, são fracos e que isso resulta evidente na vossa intervenção pública, ela própria débil como o seu post de hoje sobre JPP.

E aliás como o texto descabelado que a Constança Cunha e Sá publicou no Espectro sobre o artigo do JPP na Sábado.

É a falta de ideias e de projecto politico próprio e a forma de acção politica que adoptam que eu critico. Não as vossas personalidades ou modos de vida.



Helena

 

Anonymous JB said ... (8:08 da tarde) : 

Muito bem, Helena. Está no seu direito. Mesmo que insista em falar do que não sabe.

 

Anonymous Anónimo said ... (2:58 da manhã) : 

Não acredito, a dona helena nao pode ser a helena matos. afinal e tudo por ter saltado do lugar onde estava.

 

Blogger PAI MOURO said ... (7:25 da tarde) : 

Acho ridicula esta polémica.
A rEVISTA aTLÂNTICO É EXCELENTE!!!Do melhor que temos na direita em POrtugal.
O JPP, que tambám prezo, errou o alvo. Que ataque o jornal onde escreve. Vejam hoje a notação que o Público dá ao Mário Soares: Uma vergonha!!

 

Anonymous Anónimo said ... (5:08 da tarde) : 

envia a carapuça quem quer. obviamente que jpp nao diz que "todos" os que participam na atlantico sejam "portistas". a bom entendedor. deixem-se de merdas.

 

post a comment