Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

domingo, março 05, 2006

Agora muito a sério

Estou de acordo com o que alguém escreveu num comentário no Insurgente (julgo que o João Miranda do Blasfémias, pelo menos era essa a assinatura) e não confio no jornalismo de causas. Mas uma coisa é o jornalismo, enquanto prática profissional, e outra é o jornalista, que não pode ver limitados os seus direitos de cidadania, nomeadamente o de defender as suas causas e opiniões, desde que expressas nos locais adequados. Esta é uma discussão importante, ao contrário do que muitos e muitas possam pensar - e já era tempo de os jornais e de os jornalistas a fazerem sem complexos.

Aqui há uns tempos, para dar um exemplo de onde isto nos poderia levar, José Rodrigues dos Santos disse (cito de memória) que não exercia o seu direito de voto exactamente porque achava que isso poderia pôr em causa a sua imagem de independência enquanto jornalista. Eu defendo o contrário: todo o jornalista tem a obrigação de votar - ou de se abster, em função das suas preferências políticas - e não pode ver os seus direitos políticos constrangidos em razão da sua profissão. Se eu toda a vida votei no CDS e se sou militante do CDS não percebo porque tenho de o disfarçar ou esconder só porque sou director de uma revista. Não disfarço nem escondo. Não confundo as minhas preferências partidárias com as minhas responsabilidades profissionais - e isso mesmo poderá ser atestado a qualquer momento lendo as pessoas que convidei para escrever e colaborar na revista que dirijo.

Para dar outro exemplo, apesar de julgar saber que Mário Bettencourt Resendes é militante do PS, isso nunca me levou a pensar que as suas opiniões sobre o PS ou sobre a política nacional enquanto director do "DN" ou comentador em vários orgãos de comunicação social fossem condicionadas ou pudessem ser menorizadas por essa sua condição. Nos países mais civilizados e mais livres, onde a liberdade de imprensa é mais poderosa, como é o caso da Grã-Bretanha, a ninguém espanta ou sequer admira que uma personalidade como Boris Johnson tivesse sido director da revista Spectator enquanto ocupava o seu lugar de MP dos tories no Parlamento britânico. É claro que na Spectator regularmente se gozava ou criticava o partido conservador e o respectivo líder da altura.

Bem diferente, porém, é determinada causa ser assumida por jornalistas e por membros da direcção editorial de determinado jornal, levando a que todos eles, incluindo o jornal, sejam identificados com a causa que defendem, pondo em dúvida, pelo menos, a imparcialidade das notícias publicadas sobre o assunto. Foi isto que aconteceu recentemente com o "DN" no caso do casamento da Teresa e da Lena e é por isso um pouco ridículo confundir estes simples factos com a circunstância de o "Público" ter sido um dos dois primeiros jornais a dar a notícia sobre o mesmo casamento - a par do jornal "O Independente".

Fui um dos primeiros a criticar o modo como no "Público" (e noutros jornais diários, é mais um facto) se tratou a questão do ponto de vista jornalístico, desde logo ao dar nome e microfone aos "filhos biológicos" (menores) das duas senhoras que se pretendiam casar, mas isso não me leva a confundir planos substancialmente diferentes: qualquer jornal ou qualquer jornalista quer dar notícias relevantes em primeira mão. E foi o que aconteceu.

[Paulo Pinto Mascarenhas]

Comments on "Agora muito a sério"

 

Anonymous Jorge J. said ... (12:30 da manhã) : 

não lhes ligue Paulo, a ATlântico deixa mto gente com dor de cotovelo.....

 

Anonymous roteia said ... (12:48 da manhã) : 

Paulo Mascarenhas: Leio o seu artigo "Agora muito a sério" e fico na dúvida se o discurso que põe noutros artigos é "muito a brincar". Também eu lhe falo a sério sobre a questão das CAUSAS.
Não conheço nada mais decisivo, em qualquer área profissional, do que possuir causas qualificadas e actuar de acordo com elas. No campo do jornalismo, e também no seu caso, é também assim. Os seus artigos comprovam-no. Por isso não entendo os seus ataques àquilo que designa como "jornalismo de causas", quando estas são alheias às suas próprias e legítimas causas. Também não entendo que use uma agressividade retumbante em questões da sua indignação subjectiva quando há inúmeros factos de escandalosa indignidade (diria de indignação objectiva) que lhe passam ao lado.
A direita, o centro, a esquerda, deveriam ser campos de debate antes de serem campos de batalha. O país precisa de diferenças partilhadas para abolir velhas debilidades.

 

Blogger PPM said ... (1:42 da manhã) : 

Roteia, as palavras não são balas. O que eu estou é a propor debater, não a propor bater. Em Portugal, parece que temos todos de escrever e de falar com muito cuidado e muitas excelências para cá e para lá. Não é o meu estilo. Concordo consigo quando diz que o país precisa de diferenças.

PPM

PS. Quanto ao "Agora muito a sério", é verdade que, muitas vezes, nos blogues, escrevemos à pressa e sem muita reflexão. Este foi escrito depois de ser muito reflectido.

 

Anonymous Anónimo said ... (9:19 da manhã) : 

Pois se é isto que escreve depois de muita reflexão, se calhar podia reflectir um bocadinho mais e não escrever nada.
Susana

 

Blogger PPM said ... (2:59 da tarde) : 

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

 

post a comment