Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

segunda-feira, fevereiro 27, 2006

Quero o meu Porto de volta

Segundo o moralismo dominante, o inferno guarda um lugar especial para aqueles que, quando a sua circunstância exigia trabalho, afinco e criatividade, optaram pelos prazeres da preguiça. "The devil will find work for idle hands to do", cantava Morrissey, entre o irónico e o resignado. Mas então que dizer dos outros, daqueles que, perante a papinha feita, resolvem cuspir na sopa? Aqueles que, diante de um manual de instruções perfeitamente elaborado, que tudo explica e tudo prevê, se decidem por elaborações laboratoriais de resultado insondável? Que dizer de um tipo que trata a tradição como um incómodo que atrapalha? Que dizer de Co Adriaanse?

Na sua passagem blitzkrieg pelo Porto, Mourinho deixou um legado como nenhum outro. O melhor e o mais inesquecível foram, obviamente, os dois Campeonatos, a Taça de Portugal, Sevilha e Gelsenkierchen. Mas houve mais, muito mais. Mourinho deixou um estilo de jogo quase perfeito, uma táctica quase irrepreensível, uma disponibilidade mental de encarar todas as partidas como só os melhores as enfrentam.

E o que fizeram Del Neri, Fernández e Adriaanse? Experimentaram, inventaram, impuseram as suas ideias (?!) peregrinas a uma realidade perfeitamente sedimentada e organizada. Octávio Machado gosta de verberar os Big Ladens (sic) do futebol português. Pois os problema do Porto está nestes Robespierres de pacotilha.

Por falar nisso, Adriaanse levou Baía e Jorge Costa à guilhotina. Este facto, que, desportivamente, não terá talvez a importância que lhe tem sido dada, é todavia revelador da atitude que o holandês com cara de prisão de ventre trouxe para o Porto: destruir o que lhe foi dado e construir todo um admirável mundo novo a partir do ano zero. Quando, aliás, as características do plantel lhe permitiriam manter e aproveitar o modelo Mourinho - Lucho é Maniche, Assunção é Costinha, Diego é Deco, Lizandro é Derlei. Não quis. Mordeu a mão que lhe deu de comer e o resultado aí está. Uma equipa completamente descaracterizada, que raramente se impõe nos relvados com aquela arrogância que lhe foi um dia típica e cujos adeptos - pelo menos este - têm vergonha de ver jogar.

Ontem, pela primeira vez, decidi não ver um Benfica-Porto. Não foi porque sabia que ia perder (pressentia-o, de facto), mas porque sabia que a equipa ia jogar temerosa, comezinha na ambição, a pensar no empate como o melhor que lhe poderia acontecer. E isso é coisa a que eu, um adepto dos mais sobranceiros, anti-benfiquista orgulhoso, me dispenso de assistir.

Claro que gente como o inenarrável Rui Santos gosta de Co Adriaanse. Segundo o comentador da Sic, o senhor é um arquitecto e isso, só por si, é elogio suficiente, parece. Ora, o futebol, ao contrário da mentira e do lirismo reinantes, não é uma arte. Ou então, é-o pelo menos tanto quanto é uma ciência. Existem modelos pré-definidos, que comummente são aceites como os mais idóneos em determinadas situações. Toda a gente sabe a merda que, no futebol português e não só, provocaram soluções como os três centrais de Adriaanse ou a defesa em linha de Del Neri. Menos os próprios.

A preguiça, como todas as nobres virtudes conservadoras, vive tempos de má reputação. Mas é de gente preguiçosa que o Porto precisa. Gente cábula que peça ao André o dossier que o Mourinho lhe deixou. Está lá tudo. Aquele dossier é o fim da história. Vejam o Barcelona. Foi a Londres ganhar ao Chelsea com a exacta atitude e táctica cínicas do senhor. Rijkaard é bom treinador porque sabe aprender. Não quer ensinar nada.

Por causa desta engenharia social aplicada à ciência do esférico, o Porto perdeu o campeonato passado e vai certamente perder este. E, pelo que se viu e se vê dos adversários, nem sequer era preciso o Mourinho para os ganhar.

Espero que o João Miranda concorde.

[FMS]

Comments on "Quero o meu Porto de volta"

 

Anonymous AMC said ... (8:17 da tarde) : 

Bravo!
Com o plantel que temos e com a mediania que caracteriza os nossos rivais, o mais difícil é perder o campeonato. Perdemo-lo no ano passado e preparamo-nos para o ver fugir este ano!
De facto, o que é mais grave – irritante, até – é que poderíamos ter dois olhos em terra de cegos, porém, inusitada e compassivamente, fazemo-nos de cegos vendando os olhos com um sistema de jogo que não funciona sem um criativo de meio campo que distribua a bola, tal como Deco o fazia tão bem. Contudo, estão lá o Diego e o Ibson... não se percebe?

 

Anonymous Tiago Geraldo said ... (9:58 da tarde) : 

A crónica do Jacinto Lucas Pires sobre o Benfica no DN é boa. Mas esta aqui é muito melhor (e eu, que sou benfiquista, falo sem compromisso).
O António José Teixeira anda a dormir.

 

Anonymous Anónimo said ... (11:37 da tarde) : 

meu caro Francisco,
Ja devias ter aprendido qualquer coisa de Realpolitik com os teus camaradas de Blogue. Se aqui pelo acidental pulula malta que exige lealdade organica a um poeta quando este escreve uns dislates no jornal, como portista tambem devias ter um pouco mais de contencao verbal e aguentar estas miseras 10 jornadas que faltam. A clubite a isto nos obriga.

Cumprimentos

PS> Comparar o Diego ao Deco e idiota e esquecer o trabalho do Sr. COo no amadurecimento de Pepe, Quaresma e Assuncao e ingratidao.

O macaco da Ribeira

 

Anonymous fms said ... (11:51 da manhã) : 

Caro Anónimo,

Sobre a "comparação" Diego-Deco, gostaria só de lembrar o que era o Deco nas épocas pré-Mourinho.

 

Anonymous Anónimo said ... (2:21 da tarde) : 

Tenho a dizer que, pese embora não deter o conhecimento suficiente para me pronunciar sobre a análise feita pelo FMS, a epígrafe do texto evidencia o meu sentimento, e deixem-se lá de lealdade orgânica neste caso, porque assim se comportaram os outros enquanto o Porto estava no seu melhor e de nada lhes valeu, já que as vitórias daqueles devem-se à falta de garra por este demonstrada nestes últimos tempos. Falta atitude! M.

 

post a comment