Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

Mas que grande maçada esta da “mão invisível” nem sempre manejar para o lado que queremos

De acordo com a douta opinião de alguma da rapaziada de esquerda e da “nova direita”, o Estado, para ser de facto laico, deveria impedir os canais privados de transmitirem cerimónias religiosas. Liberais? Vão brincar com outro.

[ENP]

Comments on "Mas que grande maçada esta da “mão invisível” nem sempre manejar para o lado que queremos"

 

Blogger CGP said ... (12:34 da tarde) : 

As estações televisivas têm todo o direito de transmitir aquilo que bem entenderem. Criticar as suas escolhas também é uma opção livre. Niniguém deixa de ser liberal por criticar a transmissão do Big Brother, assim como ninguém deverá ser atacado no seu liberalismo por criticar a transmissão de outro programa qualquer.

 

Blogger Rui Castro said ... (12:39 da tarde) : 

Aqui no acidental há quem não concorde com o autor deste post:
http://oacidental.blogspot.com/2006/02/habemos-corpus.html

P.S. A propósito, não é possível ver quem escreveu este post!

 

Anonymous enp said ... (12:49 da tarde) : 

Ok Karloos, mas em que é que as escolhas das televisões privadas determinam a laicidade do Estado? That's the point. Criticar o facto de todos os canais transmitirem a mesma coisa, tudo bem. Criticar o facto de os canais transmitirem a trasladação da Irmã Lúcia, nada a opor. Criticar o que quer que seja, força, é sinal de espírito crítico.

Mas partir daí para especulações sobre a natureza do Estado é que, enfim, já é baralhar as coisas.

 

Blogger jpt said ... (1:06 da tarde) : 

uma das coisas boas do bloguismo é a facilidade das ligações (links, também se diz) - assim quando se refere algum argumento coloca-se a ligação, identifica-se, o que dá ao leitor a possibilidade de verificar da justeza das respectivas opiniões. caso não seja possível fazer a hiperligação (também se dizia assim) a indicação do autor/meio basta (por defeito). Na ausência desse modo bem conhecido por todos nós este texto é mera espuma atirada ao ar (alguma decência impede outro termo) - "alguma da rapaziada" ... mas não aponta ninguém, nem exemplos, nem elencos, para que possamos considerar da sua argúcia. é uma falácia: ou consciente (desagradabilissimo) ou inconsciente (penoso).
já agora, liberal ou não, e porque é óbvio o argumento que aqui se apresenta deste modo ímpio, as televisões privadas que transmitam o que quiserem desde que não probido por lei. a(s) pública(s) não: passar um dia a arengar sobre a beatificação de alguém não é nem liberal, nem democrático, nem nada - aliás, será o mesmo tipo de implícito absoluto que brota neste pequeno texto. é imposição religiosa por via do estado [já agora, e por coerência, indico a tralha que refiro: rtp-I, portanto rtp-1. Uma total escandaleira]

 

Anonymous enp said ... (1:22 da tarde) : 

JPT, não se zangue, o link já lá está. Quanto a saber se a transmissão de tal cerimónia é ou não serviço público, é outra conversa, não foi isso que foi atacado no post do Luis Goldsmith. Volto a perguntar, e agora a si JPT, o que é que o facto de vários canais de televisão terem transmitido a Irmã Lúcia tem a ver com a laicidade do Estado? Diga-me, por favor, sob pena de ficar a achar que este seu comentário é também ele desagradabilíssimo e penoso.

 

Anonymous Luis Lagos said ... (2:17 da tarde) : 

De facto, isto está a tornar-se absurdo. Alguém (enp) critica o post de outrém (lg), e logo há quem (k e jpt) venha em defesa deste com o argumento de que estava apenas a usar a sua liberdade de expressão.
Conclusão: não podemos criticar o que quer que seja a quem critica, porque quem critica está a usar a sua liberdade de expressão e se o criticamos é porque somos contra a liberdade de expressão.

 

Blogger Rui Castro said ... (3:00 da tarde) : 

Confesso que não percebo esta intolerância religiosa para com os católicos. Há semanas que andamos a dicutir o islamismo e agora critica-se uma das 2 televisões públicas por transmitir a trasladação do corpo da Irmã Lúcia? Concordo com o enp, o que é que isso tem a ver com o Estado ser laico ou não? Quanto tempo se perde a exibir jogos de futebol com menos audiências ou reality shows palermas? Se vivemos num país maioritariamente católico é natural que os órgãos de informação queiram dar destaque a uma notícia ou acontecimento que interesse a quem se insere nesse grupo. Ora bolas, eu também tenho de gramar com os tempos de antena do Garcia Pereira e do Anacleto, os quais têm muito menos simpatizantes que a Irmã Lúcia.

 

Blogger jpt said ... (4:26 da tarde) : 

1. obrigado pela ligação, que me permite entender o seu texto. ainda não o fui ler - do que me queixei, acima de tudo, foi do fluído do seu texto.
2. repito o que disse acima, nada tenho contra que vários canais transmitam as cerimónias acontecidas. apenas referi o caso da tv pública. por mais neutral que se queira fazer a comunicação ela não o é, e isso é óbvio. uma coisa é noticiar a cerimónia, dar-lhe o relevo que a maioria católica dos portugueses supõe - que os critérios jornalistico-informativos são subjectivos ja nós sabemos, mas vamos sobrevivendo pacificamente nisso. Outra coisa é um serviço público passar o dia a transmitir o evento, propagandeá-lo, apelar à participação, legitimá-lo, entender a causa da beatificação como própria. Peço desculpa mas isto não é informaçaõ, é tomar parte. Entenda, sou ateu, mas não defendo ateísmo na tv pública. Defendo parcimónia, uma parcimónia que aceite o fundo católico da história portuguesa e o respeite. Mas que não seja agente católico. O que se passou ontem foi meramente isso. [há um comentário engraçado de rui castro sobre o anacleto e o garcia pereira, mas francamente, há uma lei que defende a equidade dos políticos na tv. eu acho bem isso, mesmo que não goste de alguns. é assim uma muleta da democracia. um tipo ri-se às vezes, irrita-se outras. mas como dizia o outro por pior que seja a democracia ainda é melhor que os outros - e, afastei-me, não há qualquer lei que assuma que a tv do estado deva fazer propaganda católica]
3. finalmente, por mais literal que se queira escrever é muito difícil. acho mesmo espantoso que tendo eu protestado com a fluidez do seu texto, que dava para criticar qualquer posição contrária à sua por inexistência de alvo, o comentador luís lagos me ponha a defender a opinião de lg (Que desconhecia) e não só isso como me coloca o argumento da defesa (a tal liberdade de expressão). é absolutamente espantoso. mas também prova duas coisas que nos esquecemos sistematicamente: escrever é difícil. e, para alguns, ler ainda o é mais
4. repito, obrigado pelo elo. assim já nos entendemos

 

Anonymous Anónimo said ... (11:55 da tarde) : 

Caro ENP
Parabéns pelo seu post. O post de Luis Goldschmidt foi absolutamente lamentável, ofensivo, despropositado e alheio a qualquer conceito de liberdade.

 

Anonymous Luís Goldschmidt said ... (3:11 da tarde) : 

Adoro os anonymous! São gente valente...e séria! Dão a cara! Falam grosso! Aldeia Velha para os nossos copos!

 

Anonymous Anónimo said ... (11:12 da tarde) : 

Senhor(?) Goldschmidt
Não sei se é valente, mas os seus posts não são nada sérios. São mesmo muito pouco sérios.
Uma Aldeia Velha pra si também.


o-adorável-anónimo-valente-e-sério

 

post a comment