Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sexta-feira, fevereiro 24, 2006

Eu pecador me confesso

Nunca tinha entrado no El Corte Inglés de Lisboa até à passada quinta-feira. Não por mero acaso ou por esta grande superfície ficar muito distante das minhas rotas habituais. Em boa verdade, até fica bastante mais perto do que os templos do consumo do tio Belmiro onde alegremente rebento orçamentos à custa da Fnac, da Tema e de tantas outras lojas “ready to please”.
Nunca tinha entrado no El Corte Inglés de Lisboa - cheguei a ficar um quarto de hora à porta enquanto a minha “better half” foi comprar uma prenda, o que me assegura entrada directa para o “top ten” dos teimosos - por militância. Não queria dar um mísero cêntimo à grande superfície que melhor representa o avanço de Espanha sobre a economia portuguesa, considerada por “los hermanitos" extensão natural da sua própria. Uma vã filosofia facilmente enquadrável no nacionalismo serôdio, mas que segui religiosamente, sem precisar de incendiar a Embaixada de Espanha para lavrar o meu protesto (e continuando a fazer compras nas lojas da Inditex, com a justificação de se tratar de um grupo galego).
Mas na manhã de quinta-feira entrei no El Corte Inglés de Lisboa. O táxi deixou-me à porta e, com alguma relutância, embrenhei-me pelos seus corredores - lembrando-me dos Armazéns do Chiado e do Grandella da minha infância, quando a austeridade (geral e familiar) fazia com que os produtos expostos nas montras fossem tão inacessíveis quanto o turismo no Espaço -, sentindo-me vagamente desconfortável por ali me encontrar. Acabei por gastar um par de euros num pequeno-almoço alternativo, ao qual não o pastel de nata mais tristonho que tive a infelicidade de degustar nos últimos anos - mas talvez seja mesmo o mau feitio a subverter a informação das papilas gustativas -, e encaminhei-me para as salas de UCI.
Entrei no El Corte Inglés de Lisboa graças aos senhores da Vitória Filmes, que naquelas coordenadas realizaram o visionamento de “A History of Violence”, novo filme de David Cronenberg, no qual Viggo Mortensen poderá ou não ser um ex-mafioso descoberto após 20 anos em que se dedicou a construir uma família, uma existência numa pacata cidadezinha do Midwest e, acima de tudo, uma nova personalidade. O filme só chega às salas a 16 de Março, mas ficam já avisados: vê-lo é de tal modo obrigatório que justifica pecados maiores do que entrar num símbolo de Espanha cravado no coração de Lisboa.

[Leonardo Ralha]

P.S. - Espero que o professor Diogo perdoe tão licenciosa xenofobia e o apelo à guerra das civilizações.

Comments on "Eu pecador me confesso"

 

Anonymous Anónimo said ... (9:52 da tarde) : 

Esse tipo de licensiosismo é normal e saudavel... os espanhois ainda sao europeus e pior... brancos... Já se fossem mais escurinhos... Leonardo, devias arder no inferno! Inferno islamico... gajas impuras incluidas!!

 

Anonymous Anónimo said ... (10:38 da tarde) : 

LR entra no ECI, e baixinho baixinho começa a ouvir: All your base are belong to us.
É tao elementar,... se não por via militar, por via económica por supuesto.

BL

Ah,... Catalunya no és España.

 

post a comment