Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

terça-feira, novembro 22, 2005

Eu também quero ser vítima

Eu até sou emigrante. Eu até cheguei a Lisboa aos 18 anos, vindo da ilha de São Miguel, sem conhecer ninguém além da minha avó e dos meus tios e primos. Eu até aterrei na grande urbe à procura de uma janela de oportunidade (só encontrei uma clarabóia, pois). Eu até não falo bem esta língua e uso expressões que ninguém percebe. Eu até ando sempre de um lado para o outro com um livro de recibo verdes na mão (é a minha imagem de marca, se me quiserem reconhecer na rua). Por tudo isso não percebo por que é que os pensadores progressistas (os comentadores, os sociológos, os indignados em geral) não têm pena de mim. Eu quero que a esquerda tenha pena de mim.
Coloquemos os recibos em cima da mesa da cozinha: não me preocupa o facto de serem recibos; não me aborrece o facto de serem verdes. Além disso, um liberal tem de fazer o elogio da instabilidade no emprego. Chateia-me apenas que as firmas (ah, que bela palavreca) a quem se presta o serviço, muitas vezes, não paguem o "montante devido" no acto da entrega do recibo. Que demorem meses e meses a desembolsar o guito. Não me posso queixar da minha principal entidade patronal - que paga logo e até adianta -, mas há por muita empresazinha com a torneira perra. A gente que dirige esses tascos devia ir toda para a prisa, digo eu aqui.
Começo a perceber que tenho de me pôr a queimar automóveis para a esquerda sentir pena de mim - para ser convidado de um Prós e Contras dedicado à exclusão e poder falar com a voz distorcida e a cara tapada. Vou fazer isso. Pode ser que resulte. Até porque vivo nos subúrbios – nos miseráveis subúrbios da Pátio Bagatela, mais precisamente. Se não me apetecer descer até à rua, por causa dos humores outonais, posso sempre pedir emprestado um carro ao meu filho e mostrar a minha revolta com o mundo queimando esse carrinho telecomandado no "quarto de serão" (é assim que se diz na minha terra). A ver se, ao menos em família, sou tratado como vítima da sociedade.

[Nuno Costa Santos]

Comments on "Eu também quero ser vítima"

 

Blogger Henrique Raposo said ... (1:00 da tarde) : 

Grande Nuno, pá.

 

Anonymous Anónimo said ... (2:45 da tarde) : 

Este post esta genial! Do melhor que tenho visto em blogues!

 

Blogger PPM said ... (3:11 da tarde) : 

Brilhante. Entre isto e o teu novo blogue, venha o diabo e escolha.

PPM

 

post a comment