Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sábado, setembro 24, 2005

Volta, Santana. Estás perdoado.

Assim como a Ana, também eu dei por mim a querer abraçar Marques Mendes. Assim um abraço bem forte, acompanhado de uns carolos bem desferidos.

Não sei se ainda alguém se lembra. Marques Mendes chegou à liderança do PSD em nome de uma cruzada contra aquilo que identificava como "O Populismo". Ganhou e partiu para uma das mais demagógicas presidências do partido de que há memória, uma patranha com os condimentos do costume: nacionalismo saloio, proteccionismo reaccionário, marxismo tablóide e uma linguagem genericamente devedora do romance de cordel e do politicamente correcto.

Viu-se na tonteria da reacção ao negócio Prisa/Media Capital/TVI. E viu-se hoje na patética declaração sobre o caso Fátima Felgueiras (aliás glosada mais tarde por Cavaco). Mendes falou como o mais puro demagogo. Não conhecia o caso, não conhecia a Lei, não duvida da correcção jurídica da decisão, mas sente-se "chocado". E mais: só aos ricos aconteceria uma coisa destas. Só os ricos podem pagar aos malandros dos advogados dos ricos - esses gangsters, como dizia o outro. Eis está ele. Mendes, o justiceiro dos oprimidos, o defensor da classe operária, o Luis Filipe Vieira do povo.

Marques Mendes vive num Estado de Direito. Não pode dizer que desconhece a Lei e, ao mesmo tempo, debitar sentenças absolutas e definitivas sobre a decisão de um Tribunal. Até porque a probablidade de o despacho da Juíza que revogou a prisão preventiva de Fátima Felgueiras ser juridicamente irrepreensível é, de facto, alta. Neste caso, não há essa coisa dos advogados dos ricos e semelhantes enormidades. Qualquer estudante de Direito ou advogado-estagiário sabe que estavam cumpridos todos os requisitos para a revogação da medida de coacção. Artur Marques não é nenhum Houdini do Código Penal.

E, se desconhece a Lei, com que fundamentos racionais, que não os puramente eleitoralistas, defende a sua alteração? Nenhuma lei é perfeita, todas permitem situações embaraçosas. Mas esta é satisfatoriamente justa. Estabelece condições rigorosas para que a prisão preventiva seja precisamente aquilo que se pretende que ela seja: a ultima ratio das medidas de coacção. E se antes de a Fáfá de Belém fugir essas condições estavam cumpridas, agora a verdade é que não estavam.

Para além de que, em concreto, não foi de nenhuma imperfeição ou lacuna da Lei que resultou o imbróglio, mas sim de uma promiscuidade nunca explicada entre o poder político de Felgueiras, os órgãos de polícia criminal e o Tribunal que permitiu à senhora, em 2003, saber o que a esperava e actuar em conformidade, pondo-se a caminho do Brasil. O que um político responsável deveria questionar era a razão pela qual não se ordenou até hoje qualquer inquérito para averiguar de onde partiu e como se operou a fuga de informação.

Marques Mendes, como todo o bom populista, em vez de fazer as perguntas difíceis, prefere o habitual: culpar a Lei, os ricos, os advogados e trazer para a discussão política o discurso inane da multidão em fúria.

[Francisco Mendes da Silva]

Comments on "Volta, Santana. Estás perdoado."

 

Anonymous Anónimo said ... (2:37 da manhã) : 

Você já leu o artigo de Miguel Sousa Tavares "O país de Fátima" no "Público" de ontem?
ESTÁ LÁ TUDO.
Ainda bem que há portugueses que ainda percebem à raíz da merda.E não são os dichotes do Marques Mendes -decerto bem calculados- ou as enfunadelas dos causídicos,
que interessa comentar neste momento, mas a grave situação polítioco-social em que estamos
metidos. Hoje passei popr estradas de Mondim, Sr.ª da Graça, Celorico. Está trudo queimado. O momte da Sr.ª da Graça, além dos buracos das pedreiras ilegais, tem pinheirais negros e fúnebres. Não há CHEIRO A SERRA, NEM RUÍDO DE PÁSSAROS e contam-se histórias de aviões que ateavam o fogo.

 

Blogger AMJ said ... (4:30 da tarde) : 

Em grande forma meu caro (mais redonda espero, que os ares de casa fazem-nos sempre "inchar" de alegria!)
Um abraço

 

Anonymous PedroP said ... (6:13 da tarde) : 

Sou um defensor acérrimo dos princípios do Estado de Direito e sou um defensor acérrimo da Liberdade como bem a preservar a todo o custo.
Sou, por isso, um defensor acérrimo da presunção de inocência como princípio nobre do nosso sistema penal.

Admito, in extremis, nas condições estritas que a nossa lei prevê, a prisão preventiva. Aliás, só o admitiria verdadeiramente se fosse garantido que essa privação da Liberdade apenas poderia ocorrer por períodos muito curtos, o que não tem acontecido nos casos que nos chegam ao conhecimento.

Por isso, acredite eu, ou não, que a D. Fátima é culpada dos crimes que lhe são imputados, assumo tranquilamente que não é a minha opinião, formada pelas pequenas verdades e mentiras que me chegam, que deve determinar a perda da liberdade de qualquer cidadão, mesmo dos que não me inspiram simpatia nenhuma, como é o caso…

Num momento em que a maior parte dos textos nascem de valores menores que fervilham na mente de cada escriba, de cada um de nós, é muito bom ler um comentário que coloca a Liberdade da pessoa acima das opiniões dos outros.

Não gosto da senhora. Não gosto da atitude sobranceira e politiqueira nem daquela espécie de culto da rainha a que se assiste em torno dela.
Mas, até ao trânsito em julgado da sentença, presumo, mesmo que com grande esforço, a inocência de uma pessoa acusada e entendo que, nessa óptica, não lhe podem ser subtraídos quaisquer direitos de cidadania, incluindo a participação na vida pública e política.

Despachem mas é o julgamento!

 

Anonymous fms said ... (9:26 da tarde) : 

Outro para ti, António. A mãezinha tem-se esmerado, é um facto.

 

Blogger vieira do mar said ... (10:52 da manhã) : 

Concordo plenamente.

 

Anonymous Anónimo said ... (5:06 da tarde) : 

toma lá que já almoçaste...

http://oincorrecto.blogspot.com/2005/09/ainda-sobre-ftima-felgueiras.html

 

post a comment