Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sexta-feira, setembro 23, 2005

Pinto contra Pinto: subsídios para uma terceira via

Devo dizer, a propósito da conversa entre o Eduardo e o Paulo, que o meu espírito se encontra mais próximo do primeiro. Mas concedo-me também um pequeno desvio esquerdista, algo que, se alegado pelo Paulo, lhe traria mais razão.

É um facto indesmentível que a direita (conservadora, liberal, democrata-cristã), talvez por reconhecer mais facilmente a importância do risco e da responsabilidade individual, assim como a natureza perversa do Ser Humano e a inevitabilidade do lado trágico da existência, percebe com maior naturalidade a necessidade daquilo a que o jornalismo começou a chamar "medidas difíceis". Percebe a necessidade mas, por vezes, faz dessa necessidade uma apologia tal que a mesma acaba por resultar numa espécie de fétiche iconográfico e no populismo do "vai trabalhar, malandro!". Existe uma demagogia da facilidade, mas também uma demagogia da dificuldade. Da minha parte, confesso a fraqueza. Também eu tendo a considerar, à partida, qualquer medida política impopular como intrinsecamente boa. Enfim, em abono da verdade, diga-se que eu tendo a considerar qualquer coisa impopular como intrinsecamente boa.

É verdade que a investida do governo contra os "direitos adquiridos" do funcionalismo público e a resistência que tem oferecido aos representantes dos sindicatos onde estão inscritos alguns membros das corporações envolvidas (reparem: não se trata, como costuma dizer a imprensa, de "os professores", "os militares", os juízes", mas sim dos representantes dos sindicatos onde estão inscritos alguns - muitas vezes pouquíssimos - membros das corporações envolvidas), cala fundo numa alma amante da ordem e da autoridade. Mas nem todas as medidas são verdadeiramente justas. O aumento da idade de reforma, por exemplo, não só não o é, como é uma manifestação do mais rasteiro populismo.

O que é que se ganha, na realidade, com o facto de os funcionários públicos passarem a trabalhar até aos 65? Qual o contributo concreto para a salvação do estado social? Assim à primeira vista, nada e nenhum.

Mas o pior é que a medida não é meramente inócua. É socialmente contraproducente, uma vez que esquece a necessidade de rejuvenescimento da Administração Pública, povoada que está por pessoas em cuja idade ninguém se inscreve em cursos de aperfeiçoamento, ao mesmo tempo que milhares de recém-licenciados tecnicamente mais aptos se amontoam nos Centros de Emprego. Poupa-se nas aposentações, gasta-se nos subsídios de desemprego e de apoio a estágios profissionais. O estado social continua obeso, a administração ineficiciente.

E é, moralmente, uma traição, porque não distingue o que deveria distinguir. Uma coisa é uma pessoa nos trintas a quem dizem que apenas se poderá reformar aos sessenta e cinco. Outra, bem diferente, é uma pessoa nos cinquentas, com planos consolidados para a sua aposentação, com expectativas criadas para o seu descanso; uma pessoa que, porventura, se privou de muitos confortos para, antes da reforma prevista para daí a cinco, seis, sete anos, preparar a sua subsistência e um maior desafogo dos seus filhos; uma pessoa a quem, de repente, dizem que, para que todo esse esforço tenha consequência, terá de esperar cerca de quinze anos.

Paulo e Eduardo, que vos parece?

[Francisco Mendes da Silva]

Comments on "Pinto contra Pinto: subsídios para uma terceira via"

 

Anonymous The Studio said ... (10:28 da manhã) : 

E' espantoso que num blog de pessoas tao inteligentes, com uma arrogancia que faz lembrar o proprio BE, nao se tenha compreendido porque ha' quem defenda a necessidade de subir a reforma para os 65 anos. Quando nao se compreende sequer o ponto de partida de que adianta discutir o assunto?

 

post a comment