Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sexta-feira, setembro 23, 2005

Os professores são uns malandros, não são?

A melhor prova que a central de comunicação do PS está muito bem montada, é este texto escrito pelo Eduardo. Desculpa-me, também, mas misturar professores e militares no saco indistinto dos "privilégios absurdos" da função pública é confundir alhos com bugalhos. Estranho até que um conservador como tu escreva tais comentários sobre duas instituições - o Ensino e as Forças Armadas - que são consideradas absolutamente estruturantes para a existência daquilo a que se convencionou chamar "nação". Para além de não se terem retirado assim tantos privilégios, como tu pareces pensar, o que se conseguiu foi arrasar a autoridade e o bom nome de duas profissões que asseguram o presente e o futuro de Portugal.

Tu sabes, por exemplo, que existem muitos professores que hoje em dia, graças à actual ministra, têm cargas horárias de 7 horas, dando aulas no total a cerca de 200 alunos, a que somam mais 4 horas para os chamados "furos" - achas que um professor nestas condições tem tempo sequer para preparar a matéria? Saberás também que um professor destes ganha pouco mais de 500 euros por mês?

Tu sabes, por exemplo, que os militares portugueses são considerados como dos melhores activos da NATO nas missões internacionais de grande risco - e que hoje em dia ainda estão na Bósnia, onde são considerados exemplares, ou no Afeganistão? Que continuam em S. Tomé e noutras zonas de interesse estratégico para Portugal?

O que a ministra da Educação conseguiu - por ordem do actual primeiro-ministro, é claro - foi que até pessoas como tu consideram os professores e os militares como uns malandros cheios de mordomias que não fazem nenhum. E se pessoas como tu o escrevem, o que dirão outros bem menos (des)informados?

Eu, que até sou o perigoso liberal de serviço, entendo que, mesmo que se retirassem alguns dos tais "privilégios absurdos" - que me dirás certamente quais são - o método e a forma como tal processo foi conduzido não poderiam ter sido mais errados. De uma penada, arrasou-se com a autoridade que restava a professores e militares. Posso ser talvez antiquado, mas continuo a acreditar que o respeito ainda é uma coisa muito bonita.

[PPM]

Comments on "Os professores são uns malandros, não são?"

 

Blogger Ana said ... (1:17 da tarde) : 

Não posso concordar mais!É exactamente isso.
bj

Ana Alb.

 

Blogger abrunho said ... (2:27 da tarde) : 

Nao concordo. As injusticas dentro da propria classe nao poem em causa regalias dos professores e militares injustificadas e injustas face a outras profissoes. Alem de que uma das injusticas dentro da classe e que estas regalias so sao para esses alguns. Os professores em inicio de carreira, com os piores horarios, as piores turmas, o pior salario sao sacaneados pelos mais antigos. Para mim eles so nao se queixam porque vivem na ideia de que no futuro serao eles a dar as 14 horas de aulas por semana, a ganhar bem nas explicacoes e a ter a vida santa que se merece no paraiso.

Pois, misturar alhos com bogalhos nao da com nada...

 

Anonymous Anónimo said ... (2:29 da tarde) : 

É isso, é isso. Caro PPM cuidado aí no blog com os anarco-liberais pois não passam de infiltrações que não digo de onde mas toda a gente sabe e que só servem para confundir e desviar a atenção dos problemas principais...

 

Blogger pj said ... (4:21 da tarde) : 

Caro PPM,
Há professores que fazem sete horas por semana (e ganham por isso uma miséria que, bem contado, não dá para o alojamento e transporte) enquanto que, por decisão do ministério, outros trabalham 27 ou 30 (na escola, fora o trabalho de correcção de testes ou de preparação de aulas que fazem em casa). Do mesmo grupo e da mesma escola. Os primeiros são contratados (por meses), ou últimos são do quadro. A lógica é dar o maior número de turmas possível aos do quadro para contratar o menos possível. Poupa-se mais, certamente. Mas desengane-se quem julga que é o mesmo ter quatro turmas (aproximadamente 80 a 100 alunos) ou ter sete ou oito turmas, como acontece com quem tem horário completo (quase duzentos alunos). E depois queixam-se os encarregados de educação que os professores não conhecem os problemas individuais dos alunos nem os seus casos concretos. Se já é complicado fixar rapidamente os nomes de todos...
É pena que a comunicação social ("parabéns" ao prós e contras e à tv do estado nesse sentido) gastem tempo de antena a fazer a propaganda contra (concordo consigo) importantes instituições do nosso Estado.


Paulo Agostinho

 

Blogger João Narciso said ... (9:56 da manhã) : 

Um professor ganha 500 euros por mês? Onde leu isso? No primeiro ano de trabalho, um professor recebe um salário de 940.97€. Logo no ano seguinte passa a ganhar um ordenado de 1268.63€. E depois, vai subindo de escalão, automaticamente num total de 10, até atingir um ordenado de 2856.51€ e, se tudo ficasse igual, outras regalias, entre as quais a redução da carga horária para um máximo de 12 horas semanais. Acha Pouco?

 

post a comment