Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

terça-feira, setembro 20, 2005

Não, agora é que é verdadeiramente importante


O grande e acidental líder Mascarenhas escreve para o DN uma peça fundamental, com direito a fotografia anexa e tudo (v. ao lado):

Direita e cultura

A propósito do anúncio de putativos apoiantes de Cavaco Silva e Mário Soares na corrida presidencial, o constitucionalista Vital Moreira escreveu no seu blogue (www.causa-nossa.blogspot.com) que o candidato do Partido Socialista "goza de uma inigualável capacidade de atracção no campo da cultura, das artes, da literatura". Capacidade, essa, acrescenta o professor de Coimbra, "que em muito supera o previsível maior apelo de Cavaco Silva entre empresários e gestores." Tais apoios seriam sintomáticos do "diferente perfil, humano e político, dos dois candidatos diz-me quem te apoia, dir-te-ei quem és".

Descontando o facto de Vital Moreira ser também ele próprio um reconhecido apoiante de Mário Soares, a verdade é que as palavras citadas resumem em grande medida o modo como os políticos de direita - ou os que podem ser considerados como tal - são analisados na sua relação com a cultura.

O espírito humanista e letrado do principal candidato de esquerda estaria em confronto directo com o perfil economicista e meramente contabilístico do candidato de direita - ou, repito, como tal entendido, já que o próprio prof. Cavaco Silva terá dúvidas fundamentadas sobre esta definição política. A imagem desfocada, apesar de poder parecer caricatural, é em larga medida o quadro impressionista que muitos comentadores continuam a pintar da direita em Portugal.

A cultura é considerada por alguns como um condomínio fechado da esquerda mais de 30 anos depois do 25 de Abril. Compreende-se que esta fotografia a preto e branco pudesse ser tirada pouco depois da Revolução. Nem que fosse em razão do passado de luta contra a ditadura deposta, porque as actividades culturais serviram durante largos anos como uma plataforma da oposição democrática - e das esquerdas - ao regime salazarista. Mesmo tendo em conta as mudanças significativas registadas sobretudo nas duas últimas décadas, persiste a dificuldade objectiva de acumular o estatuto de intelectual ou agente da cultura com a opção política de direita. Dito de outra forma, são inúmeros os intelectuais que assumem publicamente o apoio a ideias, partidos ou candidatos de esquerda - ou mesmo da extrema-esquerda. Contam-se porém quase pelos dedos de uma mão os que se afirmam de direita.

Correndo o risco de algum simplismo, ser de esquerda ainda não passou de moda. Apesar de tudo o que a queda do Muro de Berlim e a informação entretanto felizmente tornada histórica permitem saber. Apesar do que foram os regimes comunistas de Leste e das verdadeiras atrocidades que se praticaram em nome de valores ditos de esquerda, nomeadamente da igualdade entre os homens. Apesar de Cuba, Coreia do Norte, Tiananmen, muitos preferem dirigir o furor intelectual contra uma das maiores e mais livres democracias do mundo, os Estados Unidos. Provavelmente por serem presididos por um político que não é de esquerda.

As críticas são obviamente legítimas e a opinião é livre. Falta saber e é importante discutir se, em grande parte, não cabe à direita a responsabilidade pela larga difusão de tantos lugares-comuns. Se não é a própria direita que se tem esquecido de pensar a cultura, de agir culturamente, de sair da máscara de ferro em que a tentam encerrar.

Os promotores das "Noites à direita. Projecto liberal" defendem que essa culpa não pode continuar a morrer solteira. Por isso mesmo, depois de termos debatido em Julho com Vicente Jorge Silva a relação entre "A direita e a liberdade", marcámos para quinta-feira às 20.30 uma conversa aberta e pluralista sobre "A direita e a cultura", a ter lugar no Jardim de Inverno do Teatro Municipal de S. Luiz, em Lisboa.

Outros debates irão surgindo. António Mega Ferreira é, desta vez, o ilustre representante da esquerda, enquanto Pedro Mexia e Rui Ramos intervêm pela direita - ou, se assim o entenderem, pelas direitas, porque o que não faltará certamente serão opiniões diferentes.

O leitor, que teve a amabilidade e a paciência de ler estas linhas até aqui, pode e deve também dizer de sua justiça, porque é o nosso convidado principal.

[Luciano Amaral]

Comments on "Não, agora é que é verdadeiramente importante"

 

Blogger HB said ... (5:18 da tarde) : 

O comentário já fiz, no Acho eu, mas e a foto, de onde saíu esta foto?

 

Anonymous Anónimo said ... (5:53 da tarde) : 

caro PPM

Será que com a nova direcção do DN ainda vai ser possivel aparecer um artigo como o seu ?
Tenho dúvidas, parece-me que aparecerão só escritos que contribuam para dividir a Direita...
Para quando uma media verdadeiramente pluralista em Portugal? Faz falta para contrariar a hegemonia da esquerda em tudo que é Comunicação Social. O que nos vale ainda são os blogs que isso a esquerda-chic não consegue controlar...

 

Anonymous Anónimo said ... (6:53 da tarde) : 

Partir da análise inteiramente certeira que VM faz dos dois candidatos, no tal campo da cultura, para gemer os habituais queixumes sobre o menosprezo a que as gentes "intelectuais" votam a direita só prova tacanhez e mania da perseguição. VM tem toda a razão neste caso, que é o único em apreço no seu artigo. Extrapolar é disparatar.

E até a propósito dos evidentes deficiências culturais de Cavaco se arranja forma de ir desembocar ao anti-americanismo e ao amor desbragado que todos os gajos de esquerda nutrem pelas ditaduras. Assim, só dão razão a quem vos acusa de miopia.

JP

 

Blogger PPM said ... (6:54 da tarde) : 

Já agora, não vá alguém pensar que sou narcisista e egocêntrico ao ponto de me publicar a mim mesmo: quem foi o autor deste poste?

PPM

 

Blogger PPM said ... (7:01 da tarde) : 

Ah, percebi agora, foste tu, Grande Luciano. Estou com compreensão lenta. Vê lá se me falas, homem.

PPM

 

Anonymous Igrejas said ... (7:39 da tarde) : 

nem tinha visto.ainda bem que fui espreitar O'acidental.sempre acidental como sempre PPM!!!

 

Blogger PPM said ... (9:46 da tarde) : 

Sim, fui eu, esqueci-me de assinar

Luciano Amaral

 

Blogger ana said ... (10:29 da tarde) : 

O que é ser intelectual? Um licenciado em economia não é intelectual e um licenciado em filosofia é? Quando falamos em cultura do que estamos a falar?

 

Blogger PPM said ... (10:54 da tarde) : 

Anonymous, a crítica é bem construída mas injusta - não sei onde é que leu essa do "amor desbragado que todos os gajos de esquerda nutrem pelas ditaduras". A miopia, neste caso, também pode ser sua. Mas, enfim, já o escrevi, a opinião é livre e as críticas são legítimas. Tal como a sua.

Ana, onde é que essa pergunta nos levava... Hoje é tarde demais, mas o seu ponto de vista merece ser discutido. Apareça no S.Luiz quinta-feira: está convidada a dar a sua opinião.

PPM

 

Blogger ana said ... (10:37 da tarde) : 

PPM: obrigada pelo convite mas não me deve ser possível ir.

 

post a comment