Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

quarta-feira, setembro 21, 2005

Kant e os pedantes anónimos

O "visitante ocasional":
(Muito Giro; já fez a cura nos AA? É giro ter anónimos com pseudónimos. Saudade para o Caramelo, o anónimo mais engraçado da Blogosfera) escreve:

Hume, o empirista? O que defendia que o conhecimento provinha dos sentidos, e depois levou "tau-tau" conceptual do Virgem de Konigsberga? Está bem...

Meu amigo,

Se quer ser pedante, tem de fazer uma coisa: aprender qualquer coisa. Para se ser pedante é preciso saber. E V. não sabe nada. Um pedante com solidez é tolerável. Um pedante com pés de barro é uma risota pegada. Fique sabendo que David Hume é uma das grandes influências, senão a maior, de Kant. Há uma continuidade entre Hobbes, Hume e Kant. Kant não é um utópico desmiolado preocupado com o seu umbigo teórico. É um liberal clássico à procura de ordem. E sobre isto, recomendo-lhe que leia os próximos números da “Atlântico”.

Ah! V. deve muito da sua liberdade a essa dita “Virgem”. Era porreiro, no mínimo, que mostrasse mais respeito. V. vive num ambiente inventado por homens como Kant. Ou V. acha que a liberdade que usufrui é natural? Sobre isto, leia um livro que anda por aí: "A Invenção da Paz", de Michael Howard.

Um conselho: não leia tanta contra-capa e resumos na Wikipedia. Leia mesmo os livros. Quando lemos, dizemos menos disparates.

[Henrique Raposo]

Comments on "Kant e os pedantes anónimos"

 

Blogger AA said ... (1:00 da tarde) : 

É pá, Henrique, passei agora mesmo o meu pior momento da minha actividade blogosférica...

Num post lido à pressa, a conjunção de AA (Anónimos Anónimos, ou António Amaral), Kant (breve referência num post meu) e Se quer ser pedante, tem de fazer uma coisa: aprender qualquer coisa. Para se ser pedante é preciso saber. atirou-me ao chão— estive com a nítida impressão de estar a ser enxovalhado por um dos melhores bloggers portugueses...

Não me dês sustos, pá. Se eu escrever algum disparate, manda mail... :)

Um abraço,

António Amaral, ou AA, o verdadeiro

 

Anonymous visitante ocasional said ... (1:06 da tarde) : 

Raposo, se há aqui algum pedante é você. Sugiro-lhe que se dedique a fazer algumas coisas próprias da sua idade, como sacar umas miúdas. E assim escusava de marrar tanto nos livros, decorar tantos nomes, maçar-nos com tantas afirmações lapidares e exibir essa soberba e pedantismo ridículos.

 

Anonymous gin said ... (1:14 da tarde) : 

Ler a "História da Religião e da Filosofia na Alemanha" de Heine também serve? ;)

(Brincadeira: eu até gosto de Kant e acho que isto de pegar nele pela vida monótona que levou é um pouco idiota...)

 

Blogger CGP said ... (1:20 da tarde) : 

Além de tudo, essa do Tau-Tau tem direitos de autor :)

 

Anonymous Migas said ... (1:49 da tarde) : 

Caro Henrique,

Sobre o visitante ocasional, não sei. Mas a minha liberdade é do mais natural que há. Ou será que talvez devessemos definir melhor os nossos conceitos de "liberdade" e "natural"?

Cumprimentos.

 

Blogger Henrique Raposo said ... (1:55 da tarde) : 

Grande António! Amanhã, copos, no S. Luís.

Aquele abraço,
HR

 

Blogger AA said ... (2:41 da tarde) : 

Copos, copos! "es muss sein!" >)

A coisa tem de ser mais bem combinada desta vez (vou ver com o AMN). Da última vez o meu jantar consistiu em seis imperiais... >)

Um abraço,

António

PS - podíamos ser verdadeiramente pedantes e começar a chamar as imperiais de "liberais". Sem ofensa para os nossos amigos do nQdI, pois claro... >)

 

Anonymous gpn said ... (4:00 da tarde) : 

Este visitante, e desculpe-me a expressao, e ridiculo. Eu explico porque. Primeiro faz uma afirmação recheada de indirectas e de demonstracao de cultura. De seguida, leva um "banho de bola" e vem com este comentário de fazer coisa "..próprias da sua idade, como sacar umas miúdas. E assim escusava de marrar tanto nos livros, decorar tantos nomes, maçar-nos com tantas afirmações lapidares e exibir essa soberba e pedantismo ridículos." Realmente se sente tanto ressabianço pela cultura e o conhecimento do Henrique porque não lê mais? Porque não tenta rebater, com fundamento, as opiniões dele? Porque pensa que alguem que le e que tem cultura não "saca miudas"? Isso só esta ao alcance de inergumes incultos e cheios de nada?

 

post a comment