Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

quarta-feira, setembro 21, 2005

Cenários no Iraque

Tanto nos EUA como na Grã-Bretanha têm aumentando as vozes que pedem a retirada das tropas do Iraque. O porta-voz do Lib Dem para os assuntos externos, Menzies Campbell, defendeu mesmo esta semana que “estava na altura de dar um final a esta ocupação”. Duas linhas apenas sobre isto.
Em primeiro lugar, tenha-se ou não concordado com a intervenção, a “ocupação” foi já legitimada pela ONU, que pediu mesmo uma participação activa da comunidade internacional.
Em segundo lugar, parece-me que o ponto agora está na resolução da situação do pós-guerra (que, à vista de todos, não foi bem planeada) e não no argumento corrente do “quanto pior, melhor”, apenas para conforto dos que se opunham à intervenção militar. Neste ponto, temos três cenários possíveis.
Primeiro, a continuação das tropas, inclusivamente com um acréscimo dos efectivos, sobretudo para treino das forças de segurança iraquianas, como referiu o presidente iraquiano a semana passada, Jalal Talabani.
Segundo, a retirada completa. Numa altura em que alguns relatórios dão como crescente a radicalização islâmica no país – desde que se complicou a (in)segurança - e quando começa a ser politicamente difícil a confrontação de Bush e Blair com os cerca de 2 mil mortos norte-americanos e 100 britânicos, crescem as vozes defensoras desta decisão. Seria, no entanto, de uma irresponsabilidade total que ela se consumasse, para além de constituir uma derrota a toda a linha dos governos que promoveram a intervenção. Sei que isto agrada a muito boa gente, mas esses que a pedem deveriam ver o caso bem além dos proveitos eleitorais.
Terceiro, manter as tropas, reduzindo os seus efectivos. Este cenário só teria cabimento (embora não negue que seria politicamente vantajoso para Blair e Bush) se a ONU, a NATO e a UE entrassem no processo de peacekeeping com forças específicas, numa clara distribuição de esforços económicos e militares. Parece-me pouco credível, até por que a eficácia da ONU depende em muito dos próprios EUA, assim com a NATO e a UE da concordância de Paris e Berlim, que sempre se colocaram do outro lado da luta e enormes proveitos eleitorais disso extraíram.
A decisão política é muitas vezes mal compreendida por nós, assim como mal aconselhada e ponderada por outros. Aceitam-se opiniões e sugestões, meus caros.

[Bernardo Pires de Lima]

Comments on "Cenários no Iraque"

 

Anonymous Anónimo said ... (3:07 da tarde) : 

Agora ? agora está uma guerra civil aberta, com contenção ou sem contenção....tanto faz!

Achei engraçado dizer que a ONU aprovou a segunda tempestade no Deserto, no entanto, isso sou eu que olho para as pessoas e não apenas para as políticas. É uma vergonha que 3000 mortos das torres tenham mudado o mundo e nem sequer se saibam quentos morreram e continuam a morrer no Afegânistão e no Iraque.

Porra! não é uma questão de política, Esquerda ou Direita...são sempre pessoas inocentes!

 

Blogger Bernardo Pires de Lima said ... (3:15 da tarde) : 

Anonymous,
O que é que isso tem a ver com o que eu escrevi? Quem é que falou em esquerda e direita?
Não caiamos em gritarias desnecessárias, por favor.

 

Blogger Peter of Pan said ... (3:20 da tarde) : 

"A decisão política é muitas vezes mal compreendida por nós(...)". De acordo. Mas também acrescento: as nossas decisões também são, muitas vezes, mal compreendidas pelos políticos.

 

Anonymous Chico da Cuf said ... (3:46 da tarde) : 

A história repete-se 30 anos depois num País diferente. Há 30 anos alguns utópicos de esquerda organizavam manifestações pacifistas contra a instalação de mísseis Americanos na Europa e um autocolante demagógico com energia nuclear? Não obrigado. O argumento era que a militarização representavam uma ameaça e uma provocação ao imenso número de mísseis russos SS20 apontados á Europa. A história provou que foi a força a militarização e a atitude intransigente de Ronald Reagan e Margaret Tatcher que ajudaram ao desmoronar do império do mal.
Hoje, os legítimos descendentes desses pacifistas ingénuos e bacocos ou irresponsáveis, também acham que a paz no mundo se consegue sem atitudes de força, com o abandono e desresponsabilização.
Quantos serão os mortos civis e militares se o mundo ocidental abandonar o Iraque? Já fizeste as contas anónimas?
Basta de ingenuidade demagógica irresponsável ainda que politicamente correcta.

 

Anonymous Anónimo said ... (4:42 da tarde) : 

Como é bonito e fácil berrar por mais soldados quando não são os nossos filhos e amigos a morrer longe de casa, já ninguém sabe muito bem porquê. A escola dos "Chicken Hawks" já se propagou a Portugal...

JG

 

Blogger Bernardo Pires de Lima said ... (4:53 da tarde) : 

Caro Chico da Cuf,
Gosto sempre de o lêr. Não t~em um blog?

Caro JG,
Não sei se era para mim, mas não me lembro de ter "berrado por mais soldados" no meu post. Aliás, dos três cenários que me parecem colocar-se, apenas discordo da retirada imediata.

 

Anonymous The Studio said ... (5:40 da tarde) : 

Antes de mais, e por uma questao de honestidade, o Bernardo deveria esclarecer os leitores sobre quem sao esses "Lib Dems" que exigem a retirada imediata das tropas do Iraque. Trata-se de uma especie de Bloco de Esquerda Ingles composto por gente tao irracional como uma Ana Drago, um Rodrigo Moita de Deus ou um Francisco Louca.
Independentemente do que aconteceu ate' agora, o que e' claro e' que a retirada das tropas americanas e britanicas iria causar uma guerra civil de consequencias imprevisiveis. Seria uma total irresponsabilidade e quem sofreria mais com isso seriam os proprios Iraquianos.

 

Anonymous Anónimo said ... (5:40 da tarde) : 

BPL,

mas descredibiliza o terceiro - e com razões para isso - sobrando, assim, o da continuidade da presença militar. E nesse caso, o problema é o Rummy não querer dar o braço a torcer e admitir que são necessárias muito mais tropas (e, fatalmente, mais dinheiro, muito mais dinheiro). O que, face à contestação politica e social, vai ficando cada vez mais dificil de fazer. Ou seja, incompetência da administração americana complicou aquilo que já não era fácil. Enfim, a meu ver resta agora esperar pelo plesbicito à constituição e evitar dores de parto prematuras. Depois logo se verá, mas não há nada de muito animador no momento actual.

 

Anonymous Anónimo said ... (5:44 da tarde) : 

Pese a radicalização na questão iraquiana, que, faça-se justiça, não é de agora (e teve muito de eleitoralsita), os LibDem não são nenhuma espécie de BE. Pelo menos ainda não são, embora nos ultimos anos se estejam a aproximar da coisa.

cordobes
ps. sou o anónimo do post anterior

 

Anonymous Chico da Cuf said ... (5:46 da tarde) : 

Infelizmente a falta de tempo e um menor jeito para a escrita (ainda assim os meus textos são mais legiveis que os de Saramago)impedem me de ter um blog. De qq forma pode ser que nos encontremos amanha no S. Luis.

JG, uma vida humana é sempre uma vida humana. Seja ela de um soldado seja de um civil inocente morto no meio de uma guerra civil, ou num qq atentado terrorista cobarde. Pressuponho pelo seu comentário que dá mais importancia a vida de um soldado americano do que a de 10 civis iraquianos. Será que poderei acusa-lo de anti iraquianismo primário? ou de racismo, pq a morte de um arabe tem menos valor que a de um americano?
Demagogia meu caro, pode como vê, ser combatida com ironia demagógica!!

 

Blogger CN said ... (11:36 da manhã) : 

Opiniões e Sugestões

http://blog.causaliberal.net/2005_09_01_causaliberal_archive.html#112732120241153674

 

Anonymous Anónimo said ... (12:26 da tarde) : 

Escavaram o buraco; meteram-se lá dentro; Agora que esta a esboroar e a enterralos vivos querem os meus €€ para fazer escadas??

Nem sonhem!!

 

post a comment