Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

quarta-feira, janeiro 26, 2005

Uma coisa eu sei: o Meireles não é comuna

Ricardo, dirijo-me pessoalmente e trato-te por tu porque até já fomos apresentados e foi assim que nos tratámos então (embora talvez não te lembres, o que terá provavelmente que ver com a nossa diferente estatura). É o seguinte: emite as opiniões que quiseres, embora aquela coisa do comunismo e do Bloco e não-sei-quê seja um bocadinho tosca. Hás-de desculpar-me, é aquilo que tu pensas, bem sei, mas é tosco. Dizes que uso argumentos da acusação clássica anti-comunista. É verdade, mas olha que aquilo aconteceu mesmo. Dizer que Hitler matou seis milhões de judeus também é um clássico do anti-nazismo, mas não deixa de ser verdade. E ninguém imagina um nazi a explicar-nos candidamente: “lá porque o gajo matou seis milhões não quer dizer que não tivesse umas ideias fixes”. Deixa-me que te diga, porém, que a tua resposta também é uma defesa bastante convencional e não toca naquilo que eu quis dizer. Não gostas do capitalismo? À vontade. Quem sou eu para te obrigar a gostar? Mas eu também não gosto do comunismo e nunca me inscrevi em qualquer partido anti-comunista. Há um certo padrão no comportamento dos partidos e dos regimes comunistas que não deveria ser novidade nos dias que correm para qualquer pessoa alfabetizada. Os partidos e os regimes comunistas são autoritários. A história do comunismo não passa de uma galeria de horrores, “a mais bem sucedida forma de fascismo”, nas justas palavras de Susan Sontag. Francamente, não me venhas com a história da Inquisição. Quem olha para a história do comunismo e não tira certas ilações tem uma grave incapacidade para aprender. De resto, o meu ponto é que as tuas justificações para abandonares o PCP me soaram fraquinhas. Na sua história, o PCP fez muito pior do que aquilo que aconteceu ao Carlos Brito ou ao Edgar Correia. Mas muito pior, mesmo, em episódios onde nem sequer faltou a morte violenta. E como te podem surpreender as dúvidas de Bernardino sobre a Coreia, quando a história do comunismo é a sua sistemática ligação a regimes autoritários, “fascistas de esquerda”, nas palavras do ministro Bagão (que Susan Sontag não desdenharia assinar)? Reconheces aos cristãos o direito de serem cristãos apesar da Inquisição. Tu entras e permaneces no PCP apesar de (imagino) saberes da história horrível do comunismo, e agora sais por causa do Carlos Brito e das larachas do Bernardino? Ricardo… Duh!
Não gostar do capitalismo não te obriga ser comunista. A partir do instante em que te assumes como comunista (não te esqueças, o Bloco continua a ser um partido comunista) sou obrigado a perguntar: não gostas do capitalismo. E do comunismo, gostas? Da miséria e opressão que são a sua marca? Olha para o PS, por exemplo: eles também não gostam muito do capitalismo, mas lá aceitam que é capaz de gerar riqueza e depois tentam corrigir aquilo a que chamam injustiças sociais com umas medidas aqui e acolá. Mas, sabes?, nisto tudo há uma coisa que me chateia. Se desses uma entrevista a explicar que tinhas sido do PSD e depois te tinhas desiludido e te tinhas passado para o PP, não eras aí o herói da pequenada. Não sei exactamente porquê, mas isso não seria visto como uma coisa “gira”. Já o Bloco, não sei, tem sempre muita graça.
Mas, enfim, já chega: diz o que quiseres e apoia quem quiseres, desde que continues a fazer o melhor humor que esta terrinha conheceu em décadas. Se deixasses de o fazer e continuasses só com as tuas opiniões políticas, aí é que não tinhas salvação possível.
[Luciano Amaral]

Comments on "Uma coisa eu sei: o Meireles não é comuna"

 

Anonymous Pedro Santos said ... (6:27 da tarde) : 

Para pessoas como tu devia haver só um partido, o CDS e este país seria um paraíso, sem miséria, sem fome, sem pobres, sem violência, cofres do estado cheios ... , eis que também alguém com essas mesmas ideias tentou fazer o mesmo por este país um tal Oliveira Salazar e o resultado foi = Ditadura !

Não a ditaduras de esquerda mas também não a ditaduras de direita !

Suponho eu que deves ter percebido a mensagem ... acorda e abre bem os olhos que ainda vais a tempo para ver a realidade da vida !

 

post a comment