Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

quinta-feira, janeiro 27, 2005

O que ninguém pode esquecer

As Nações Unidas, em sessão extraordinária da sua Assembleia Geral, homenagearam esta semana as vítimas do Holocausto, em especial aquelas que Auschwitz deu a conhecer ao mundo há 60 anos atrás. Pode parecer uma eternidade mas o que é facto é que muitos dos nossos pais e avós estavam vivos quando tudo se passou. Para hoje ainda está prevista uma cerimónia em Auschwitz II - Birkenau, com cerca de 50 Chefes de Estado e mais de 10 mil convidados.

Tive a oportunidade de lá ter estado há cerca de quatro anos. Escuso-me a tecer grandes considerações acerca do que vi, do que senti ou do silêncio que me perseguiu. Estando lá, tudo o que se leu ou aprendeu nos bancos da escola é insignificante. As coroas de flores não paravam de chegar à parede de fuzilamento. O choro de descendentes das vítimas ouvia-se por entre o arame farpado. Os retratos, escovas de dentes, sapatos ou simples pares de óculos ajudam-nos a perceber aquilo que ali, como em dezenas de outros campos da morte, aconteceu.

Facto curioso, no meio disto tudo, é que foi o Exército soviético que descobriu Auschwitz. Precisamente há 60 anos. A solução final era dada a conhecer ao mundo por um dos regimes mais sanguinários da História. Com isto apenas pretendo colocar uma verdade em cima da mesa: os totalitarismos de esquerda e direita devem ser colocados no mesmo saco. Sem desculpas. As vítimas do nazismo e do comunismo merecem que não se branqueie a História.

Ontem como hoje, os regimes democráticos têm de saber vencer os totalitarismos. Também eles precisam de dar provas que são os melhores. Que nos garantem a liberdade, o bem estar e o desenvolvimento. Numa era marcada por um totalitarismo sem rosto, que faz da surpresa assassina a sua arma, as democracias precisam de se regenerar. De acompanhar as necessidades das sociedades modernas. Não podem parar no tempo. Sob pena de novos totalitarismos surgirem e repetirem aquilo que não queremos ver repetido na História.

Talvez porque nunca é demais lembrar os horrores dos totalitarismos não ficava mal uma qualquer declaração pública sobre Auschwitz de alguém com responsabilidades de Estado neste país.

[Bernardo Pires de Lima]

Comments on "O que ninguém pode esquecer"

 

post a comment