Fundado por Paulo Pinto Mascarenhas


Ana Albergaria
Bernardo Pires de Lima
Diogo Belford Henriques
Eduardo Nogueira Pinto
Francisco Mendes da Silva
Henrique Raposo
Inês Teotónio Pereira
Jacinto Bettencourt
João Marques de Almeida João Vacas
José Bourbon Ribeiro
Leonardo Ralha
Luciano Amaral
Luís Goldschmidt
Manuel Castelo-Branco
Manuel Falcão
Nuno Costa Santos
Paulo Pinto Mascarenhas
Pedro Marques Lopes
Rodrigo Moita de Deus
Tiago Geraldo
Vasco Rato
Vitor Cunha


Logótipo Acidental concebido por Vitriolica. Grafismo gerado por Miss Still.


Acidental Long Play


Direita Liberal


O Acidental


Público

TSF

Lusa

Associated PressReuters


A Causa Foi Modificada
Bomba Inteligente
O Espectro
Educação Sentimental
A Vida em Deli
Futuro Presente
Aos 35
Vitriolica Webb's Ite
A Sexta Coluna
Tristes Tópicos
Some Like It Hot
Xanel 5/Miss Pearls
Crónicas Matinais
Rititi
Mood Swing
19 meses depois
Serendipity
A Propósito de Nada
The world as we know it
Minha Rica Casinha
Da Literatura
Tradução Simultânea
Contra a Corrente
O Estado do Sítio
Geraldo Sem Pavor
Acho Eu
A Arte da Fuga
O Sinédrio
Blue Lounge
Portugal Contemporâneo
A cor das avestruzes modernas
Kapa
Snob Blog

E Depois do Adeus
Margens de Erro
Nortadas
Office Lounging
No Quinto dos Impérios
Teorema de Pitágoras
What do you represent
Esplanar
Quase Famosos
Melancómico
Vício de Forma
João Pereira Coutinho I
João Pereira Coutinho II
Retalhos da Vovó Edith
Blogue dos Marretas
Lóbi do Chá
O Insurgente
A Mão Invisível
A Esquina do Rio
Voz do Deserto
Desesperada Esperança
Homem a Dias
Blasfémias
Origem das Espécies
Babugem
Ma-Schamba
Rua da Judiaria
Fuga para a vitória
Mar Salgado
A Ágora
Miniscente
A vida dos meus dias
Elasticidade
Causa Liberal
O Telescópio
Grande Loja do Queijo Limiano
O Intrometido
Carambas
Mau Tempo no Canil
Lobby de Aveiro
Bar do Moe
Adufe
Bloguítica
Tau-tau
Incontinentes Verbais
Causa Nossa
elba everywhere
O Observador
Super Flumina
Glória Fácil
Metablog
Dolo Eventual
Vista Alegre
Aforismos e Afins
A Cooperativa
Semiramis
Diário da República
Galo Verde
Ilhas
french kissin'
Bicho Carpinteiro
Portugal dos Pequeninos
Foguetabraze
A Invenção de Morel
Aspirina B
O Boato
O Vilacondense
O amigo do povo
O Insubmisso

Aviz
Barnabé
Blog de Esquerda
Fora do Mundo
Jaquinzinhos


Powered by Blogger


Google

sábado, janeiro 29, 2005

O conformismo inconformado dos pragmáticos

No meio de uma conversa sobre o actual estado das coisas, um amigo, menos afeito a partidos e a doutrinas, procurava alertar-me para a necessidade de “descer à terra”. Dizia que devia deixar-me de lirismos. Segundo ele, “são eles sempre que governam”. Por isso, para fazer a diferença, havia que optar sempre entre os que “realmente decidiam”. Os que “alternavam no poder” e dispunham de “amplas bases de recrutamento”.
Enquanto procurava demonstrar-lhe a estreiteza de sistema democrático que teríamos se todos pensassem assim, recordei-me de uma das frases que mais me chocaram do cele(b)rado “contributo cívico” do Prof. Freitas do Amaral: “Para quem saiba e queira pensar em termos nacionais, o voto só pode ser, portanto, no PS ou no PSD”.
Esta frase, vinda, sobretudo, de quem liderou um partido com a natureza do CDS, soa a capitulação e a autocrítica. Dizer que o resto é mais ou menos decorativo, mais ou menos irrelevante, equivale a abdicar daquilo que deve (ou deveria) ser o motor do combate político: a discussão de ideias e soluções e a vontade de chegar à governação para as poder pôr em prática.
É particularmente significativo que alguém que, apesar de fazer parte de um partido minoritário, assumiu cargos de relevo em governos de coligação - que lhe permitiram tomar medidas e definir linhas que, de outra forma, não passariam do papel - reaja agora contra a própria essência da sua existência política. O que teria sido do país se Freitas do Amaral tivesse pensado sempre assim? Onde teria ficado a defesa do humanismo e do personalismo, da democracia de matriz ocidental e não socialista, se os homens e mulheres que fizeram o CDS se tivessem resignado aos ditames politicamente correctos do PRECtugal de então? Deveriam ter desistido? Aderido todos ao PS e ao PPD? Ou, simplesmente, abdicado de ter acção política pública? Não terá valido a pena?
Dir-se-á que isso era dantes. Que os dias eram outros. Mas essa ideia mítica do alvor da democracia - acalentada pelos egrégios cultores da expressão “no nosso tempo é que era” - contribui precisamente para amesquinhar o tempo presente e demonstrar como é frágil a argumentação (dita) pragmática, cristalizando a “era dos valores” e da afirmação das diferenças num passado remoto que deve ceder lugar à crueza das opções imediatas e inadiáveis.
Afirmar que se salva Portugal abdicando das ideias e dos programas próprios, que se opta por escolher entre males menores, é sinal de pouca ambição. Que cultura democrática pretendemos incutir naqueles que assistem incrédulos à degradação do ambiente político, se lhes dissermos que a nossa democracia se resume a uma escolha periódica entre o tons laranja e rosa? Que o resto não vale, não conta, nem interessa?
O que a mim me espanta é que a defesa acrisolada da alternância descure o facto de ter sido ela a contribuir de forma absolutamente decisiva para a estagnação e para a entropia. Foi ao centro, mercê do alegado pragmatismo, que confluíram as forças que mais contribuíram para que o Estado tivesse chegado a este estado.
Rotativismo? Não, obrigado. Nem obrigado.
[João Vacas]

Comments on "O conformismo inconformado dos pragmáticos"

 

post a comment